terça-feira, 28 de outubro de 2014

Caça ao Pato


Está aberta a época de caça, caros amigos! Já todos sabíamos que Jorge Jesus tinha a comunicação social à perna desde que aterrou no Benfica. Já todos sabíamos que a mira estava apontada à cabeça do homem tendo em conta que o contrato acaba no final desta época. Hoje foi o "jornal" A Bola a sair à rua de caçadeira em punho, a largar os cães jornalistas para ver quantos patos Benfiquistas conseguem apanhar. E tu, benfiquista? És um pato ou és uma águia? Vais para a panela ou vais voar picado e arrancar um olho a estes cães sarnentos?


Como é que se bate num dos melhores treinadores dos 110 anos de história de Benfica? É fácil. É que o homem fala mal e tem pouca educação, portanto é facílimo.

1º Argumento - "Com os orçamentos que o Jesus teve qualquer um era bom treinador" 

Esta deve ser para rir. Portanto, os orçamentos foram obra do milagre financeiro do Vieira? Foram os negócios da Promovalor em Recife ou terão sido as receitas de bilheteira a proporcionarem os maiores orçamentos da história do futebol do Benfica? Prédios de Angola com o Salvador? Ou será... Espera lá! Tu queres ver que... Será que foram as vendas do Coentrão, Javi, Rodrigo, Witsel, Matic, Ramires, Markovic, Melgarejo, David Luiz, etc? Será que o orçamento para transferências vem das... Transferências? Ele há coisas!!!

2º Argumento - "O Jesus não formou jogadores! Eles quando chegaram ao Benfica já eram bons!"

Esta deve ser para rir. Portanto, o Coentrão quando chegou ao Benfica já era lateral esquerdo? O Matic já era nº6? O David Luiz que na época do Quique era "só visto irmos buscar jogadores à 3ª divisão brasileira" ? O Melgarejo já era lateral? O Witsel, o Javi e o Ramires não foram formatados pelo Jesus? O Rodrigo não evoluiu nada? O Markovic não confirmou o seu potencial? Quantos jogadores com potencial caem todos os anos no esquecimento por não serem bem encaminhados nos seus clubes? Olhem para o Markovic hoje e para o Markovic de há uns meses.

3º Argumento - "O Jesus nunca ganha os jogos complicados"

Pois não, as duas finais europeias foi tudo contra o Vorskla Poltava e o FC Vaduz. Pois não, o registo do Sporting contra o Benfica de Jesus é um espectáculo, na Luz ou em Alvalade. E o Porto que em 8 jogos na Luz ganhou 2? O Porto que em 10 jogos em casa contra nós ganhou 6... Pouco mais de metade. De ganhar metade a não ganhar nunca ainda vai uma distância considerável. Ah, mas claro, exigência, estou a ser pouco exigente... Estamos no Benfica, etc... 

4º Argumento - O 4-4-2 do Jesus é patético. Devíamos jogar em 4-3-3 sempre! As críticas ao modelo de jogo...

Mais outro argumento que é uma pérola. Escrever isto é conhecer zero do modelo de jogo de Jesus e do treino que o Jesus imprime nos jogadores.

Na 1ª época de Jesus o nosso futebol era galopante. Era uma procura incansável pelo golo e muitas vezes virava-se o feitiço contra o feiticeiro e o Benfica quebrava fisicamente porque o modelo exigia muitíssimo do físico dos jogadores. Jesus foi corrigindo e aperfeiçoando o seu modelo ao longo dos anos no Benfica e hoje em dia atingiu um equilíbrio que nos permitiu no ano passado discutir 4 competições até ao final sem problemas de grande ordem (excepto com jogadores que já eram propensos a lesões).

E como é que atingiu esse equilíbrio? Por exemplo com uma evolução na gestão do ritmo de jogo. Quando o Benfica está à procura do golo procura mais apoios frontais e mais verticalidade no passe. Quando o Benfica precisa de gerir procura mais as faixas e baixa a intensidade, arriscando menos nos passes de ruptura. Mas esse equilíbrio não é atingido apenas desta forma. As equipas de Jesus têm todas as noções de que precisam para evoluir e para se tornarem equipas capazes de rivalizar com as maiores da Europa. A diferença é que os jogadores do Benfica ainda têm que percorrer um caminho até atingirem o patamar necessário enquanto as grandes equipas da Europa podem comprar jogadores já formados.

Defender bem com muitos qualquer badameco consegue. A ciência está em defender bem com poucos e nisso, Jesus sabe o que faz. A dimensão do nº6 que encabeça o quarteto. Luisão como "nº10", como maestro da defesa. Noções de defesa zonal perfeitas. Quando alargar, quando encurtar, quando avançar, quando recuar. Noções de cobertura. Noções de quando sair na pressão e de quando defender na zona. A defesa falha? Falha, claro, porque o futebol está sempre sujeito ao erro individual. Mas as noções de que a equipa necessita essas estão lá todas.

Jogadores como o César ou o Lisandro estão a ter pela primeira vez na vida uma referência como o Luisão para poderem evoluir. Como é que se contratam jogadores com esta qualidade? Meus amigos, se vocês acham que podem avaliar a qualidade de um jogador com base neste tempo de jogo eu explico-vos porque é que nunca vão ser olheiros na vossa vida. Um olheiro observa um jogador com base em todos os atributos técnicos e tácticos possíveis e imaginários e apresenta o jogador ao treinador. O olheiro é responsável por tentar também descortinar características da personalidade do jogador - se é rebelde, se é burro, se é inteligente, etc. Esta parte, como é óbvio, quando o jogador é apresentado ao treinador pelo olheiro ou por outra pessoa qualquer, é muito complicada de se observar em vídeo porque nós não sabemos que noções é que o treinador anterior lhe passou. Quando o jogador chega às mãos de alguém como Jorge Jesus é um tiro no escuro. Pode ser esperto e evoluir, pode ser burro ou acusar a pressão em demasia e regredir. Acontece. Por isso é que nenhuma contratação é trigo limpo farinha amparo. É claro que o Lisandro parece mau. É claro que o César parece horrível. Como serão daqui a meses é impossível de saber ao certo porque não sabemos ainda se têm massa cinzenta e fibra para aguentar o que o Jesus lhes transmite. Deveríamos, isso sim, ter contratado alguém já formado para emparelhar com o Luisão, mas que culpa teve Jorge Jesus dessa contratação não ter acontecido? Especulem à vontade mas não apontem o dedo ao homem por não ter um substituto à altura de Garay. Apontem o dedo ao Vieira.

E no ataque? Pensem. Como é que em 5 anos de Jesus ainda nenhum treinador na 1ª Liga encontrou a chave para bloquear o ataque do Benfica? Porque é que o Benfica de Jesus marca golos em 99% dos jogos? Em 5 anos não seria normal toda a gente conseguir prever o que vai acontecer no ataque do Benfica? Com outros treinadores, provavelmente sim, com Jorge Jesus, provavelmente nunca. Jorge Jesus sabe usar a criatividade dos jogadores em prol da equipa. Fixar no adversário para combinar. Procurar constantemente apoios verticais entre linhas ou próximo da linha mais recuada do adversário. Procurar o corredor central no último terço. Perceber que no futebol moderno ir à linha para cruzar não pode ser regra mas sim excepção. Saber quando optar pelo passe de ruptura em vez de optar pela combinação com o apoio mais próximo. Desenvolver a recepção orientada do jogador para a jogada não se tornar inconsequente. O aprumar do drible. O orientar do jogador para saber quando usar velocidade e em que espaço. Isto tudo aliado a uma enorme responsabilidade táctica individual, conhecendo os movimentos e as posições que cada jogador em cada posição, desde o nº1 ao nº11, procura. O colectivo só funciona se cada jogador souber não só as suas responsabilidades como também as do adversário. Como é que o Talisca, um jogador que há uns meses era um completo selvagem, na 2ª parte em Braga, já sabia compensar as subidas do Eliseu sempre que o mesmo avançava no terreno?

Então e jogar com 3 médios em vez de jogar com 2? É outra falsa questão. No futebol moderno os grandes avançados são os que baixam no terreno para participar na organização ofensiva. Depois, os que se destacam, são os que para além de serem especialistas no jogo apoiado são também especialistas no jogo de ruptura, nas diagonais, no embate mais físico com a linha mais recuada do adversário, explorando a profundidade, explorando as costas e batendo os guarda-redes com frieza, decidindo bem, se for caso disso assistindo o colega. No Benfica é recorrente o uso dos avançados em zonas simétricas de pressão à posição do Enzo. A pressão no Benfica varia de adversário para adversário mas é muito normal vermos os 5 jogadores do bloco mais ofensivo a pressionar na primeira fase de construção do adversário. No ano passado o trabalho incansável do Lima e do Rodrigo são o melhor exemplo do que deve ser uma dupla num 4-4-2 moderno. Nos anos anteriores até não era estranho vermos os laterais em zonas muito altas de pressão, coisa que no Benfica mais recente de Jesus já não se verifica tanto, portanto, neste capítulo estamos conversados. Quanto à organização de jogo, com 2 ou 3 médios, também é uma falsa questão porque tendo a equipa jogadores evoluídos tacticamente que saibam dar os apoios necessários, com o mínimo de vulnerabilidade possível, tanto faz ter 2 como 3 médios. O nosso médio mais defensivo recua para a linha dos centrais, os laterais abrem e um dos avançados recua para dar um apoio frontal enquanto o outro fica a dar profundidade. Entendam, por favor, que usar uma organização com 3 médios "de origem" ou uma organização táctica com 2 médios e 2 avançados vai dar ao mesmo desde que ambas sejam bem trabalhadas. Em 2014 não há nenhum 4-3-3 que funcione sem uma enorme integração ofensiva dos médios mais avançados no triângulo assim como em 2014 não há nenhum 4-4-2 que funcione sem avançados com as noções tácticas que mencionei anteriormente.

Teria todo o prazer em explicar com ainda mais detalhe aquilo que fui aprendendo com o futebol do Jesus mas acho que nem vocês têm paciência nem eu quero prolongar isto muito. Tacticamente o Jesus não é infalível porque lá está, neste jogo são 11 contra 11 e todos os erros individuais contam, assim como a sorte, o clima e tudo o que possam imaginar. Eu sei que é muito mais fácil criticar Jorge Jesus com base no que nos atiram diariamente para os olhos, desde a comunicação social passando pelos nossos amigos e conhecidos, difícil será tirar umas horas para perceber de facto se há ou não trabalho feito por Jorge Jesus e de que tipo de trabalho estamos a falar. Quanto a mim, que adoro futebol e por isso o estudo, não tenho dúvidas em afirmar que o futebol de Jesus e a sua ideia está ao nível da dos melhores do mundo.

5º Argumento - O Jorge Jesus é um péssimo comunicador, um péssimo motivador e uma má influência no balneário.

Não vou discordar totalmente aqui, excepto talvez no uso da palavra péssimo. Pergunto-vos só uma coisa. Vocês, se fossem jogadores, preferiam ter um treinador que vos evolui e vos mostra trabalho ou preferiam ter um gajo porreiro, palmadinhas nas costas diárias, mas que no final do ano vos deixasse no mesmo ponto de evolução em que estavam no início do ano? E será que a comunicação e a motivação não podem ter a bengala da direcção? Eu acho que podem e acho que Vieira/Rui Costa tentaram isso com o Carraça e com o célebre Evandro Mota, consultor motivacional. No entanto acho que estes meninos não são nenhuns coitadinhos. Estão no Benfica e se a direcção acha que Jesus não transmite os valores de Benfica dos quais os jogadores necessitam, então tem que intervir e transmiti-los ela. É uma questão simples, não é nenhum bicho de sete cabeças. 

Muitos mais argumentos poderiam ser debatidos. Eu fiz a minha parte, dei-vos o meu ponto de vista. Só se deixa abater que nem um pato quem quiser ser abatido e quem estiver mortinho por ver o Jorge Jesus fora do Benfica. Dos que querem Jesus fora do Benfica sinto pena. Pena por gostarem dum desporto que não compreendem.

Carrega, Jorge Jesus. Obrigado, Jorge Jesus.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Subjectividade e aleatoriedade no futebol

O futebol é subjectivo. Compreender isso é meio caminho andado para não nos zangarmos uns com os outros por causa dele. Cada um tem o seu próprio globo de neve que agita conforme lhe apetece. Se deu derrota agita-se furiosamente para ver de fora a tempestade. Se deu vitória damos um toque subtil para ver uns floquinhos levantar estilo confetis. Há globos ricos e globos pobres. Há pessoas cujo globo de neve é composto por apenas um boneco e que, por mais futebol que vejam, nunca vão ter mais do que um boneco no meio do globo. Há outras pessoas que têm um globo digno de se ver e que de vez em quando nos deixam espreitar uma pontinha desse globo. Há pessoas que têm um globo tão grande que eu e tu, em toda a nossa vida, nunca vamos sequer conseguir ver metade do mesmo. Adorava ver o globo do Jesus, o globo do Mourinho, o globo do Guardiola ou o globo do Arrigo Sacchi... Gostava de ver o do Ruben Micael mas só para me rir.
Depois de compreendermos a subjectividade no futebol convém também compreendermos que é muito difícil alterar a subjectividade de alguém. Há caminhos, no entanto, que nos permitem fazer isso e até de forma massiva. Como influenciar as massas? Tendo reputação, conhecimentos, alguma dose de eloquência e muitas outras características matreiras. E como é que nos podemos proteger dessa influência externa e guardar o nosso globinho inviolável, com os nossos bonecos, as nossas ideias e as nossas decorações? É difícil mas possível. Primeiro que tudo temos que ser seres inteligentes, capazes de filtrar a boa e a má informação, a boa e a má opinião. Temos que ser seres humildes, capazes de perceber até que limite vão os nossos conhecimentos sobre futebol. Temos que ser seres orgulhosamente independentes no nosso caminho, sem medos da opinião dos outros em relação a nós, fiéis às nossas ideias, coerentes e fortes. Mas assim como é que o nosso globinho pode aumentar? O nosso globinho só vai aumentar se formos inteligentes e capazes de filtrar a boa da má informação. Uma boa dose de ciência futebolística, aprendida com os melhores, ajuda, mas não é determinante se a massa cinzenta não acompanhar.

Há ainda um factor decisivo e tantas vezes ignorado por todos. O futebol não é uma ciência exacta e o resultado dum treino, o resultado dum jogo ou o resultado de uma reunião dependem também eles da sorte. Quando comecei a escrever este post tinha o propósito de chegar, como é óbvio, a um destino. E esse destino é o jogo de Braga. Escrevi a parte da subjectividade para ver se muitos amigos e conhecidos param de fazer figurinhas que envergonham os ideais do clube Sport Lisboa e Benfica. Acho que entender a subjectividade do futebol é meio caminho andado para isso. Mas por que raio é que eu aproveitei logo agora, depois de ter escrito sobre a aleatoriedade do futebol, para tocar na derrota de Braga? O Benfica perdeu porque teve azar, foi isso? O Benfica não terá perdido pela arbitragem? O Benfica não terá perdido porque o Vieira apoia o Duque e se senta ao lado do Salvador? O Benfica não terá perdido por causa do desgaste do jogo da Champions? O Benfica não terá perdido por culpa do Jesus, do Lima, do Samaris ou do camandro? A minha opinião é muito simples e pode escandalizar aqueles que mais avidamente procuram culpados, procuram respostas para justificar a derrota e procuram manter os níveis de exigência no Benfica no máximo dos máximos ao máximo do máximo. Pasmem-se, então, com a minha esmagadora opinião, a suprema opinião nascida no meu pequeno globo de neve que nunca vai crescer porque sou burro como uma porta, um péssimo Benfiquista por não ter a exigência, um Benfiquista do deixa andar e que não merece o tempo despendido a ler tanta baboseira:

O Benfica perdeu porque teve azar e porque o Braga jogou bem. 

Quando justificávamos o 0-2, o Braga faz o 1-1 depois de numa chouriçada tremenda um defesa ter conseguido colocar uma bola nas costas da defesa que no momento estava balanceada para o ataque. Com o empate, o Braga acreditou e soube canalizar o ódio que sente pelo Benfica para o futebol, equilibrou o jogo e aproveitou-se do nosso desgaste da Champions League. Para além disso realçar também a excelente exibição do Matheus, que nos negou o empate mesmo ao cair do pano. 

O quê? Mas eu nem falo nas arbitragens nem nas substituições do Jesus? - Não adoram estes monólogos? - A resposta é: não. Chamem-me naïf mas a arbitragem do senhor árbitro vou incluí-la no pacote "azares de Braga". Não me levem a mal, não vou ser hipócrita, a minha opinião é que não se devem comentar arbitragens porque esse tipo de comentário só torna o futebol português mais escuro. No meu círculo de amigos mais próximos é óbvio que mando umas larachas sobre esse assunto. 

Então e o Jesus, não tem culpa de nada? Está tudo bem? Sim, bem, obrigado, graças a Jesus está tudo bem, obrigado, bem-haja.

Então e o Benfica, não podia ter jogado melhor, não podia ter voltado à carga como fez nos primeiros 30 minutos do encontro? Na minha opinião era complicado devido ao desgaste da Champions aliado ao facto do Tiba parecer o Enzo, do Micael parecer o Tiba e do Enzo parecer o Micael (desculpa Enzo, isto deve ser pior do que te chamar cabrão, desculpa, a sério). O Samaris parece também muito verdinho ainda para assumir a posição mais complexa do futebol de Jesus. Resumindo e concluindo, o futebol poderia ter corrido melhor, mas a aleatoriedade jogou a cartada mais decisiva nesta partida. 

Por último, uma palavra para o presidente Luís Filipe Vieira. Caro presidente, gostou do ambiente em Braga? Gostou do ambiente em Braga na última meia dúzia de anos? Continue a sentar-se ao lado do Salvador e a corroborar com todas estas atitudes para com o nosso clube. Continue a mandar para lá jogadores emprestados. Continue a sentar-se do mesmo lado da barricada do Pinto da Costa. Continue a apoiar para a liga personagens como o Luís Duque, tenho a certeza que a amizade com este senhor habituado a ser réu será muito proveitosa para o futuro do nosso clube.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Tutoriais para Totós Nº7 - Os 190 milhões do Euromilhões

Hoje anda tudo feito estúpido a perguntar-me o que é que eu fazia com os 190 milhões do euromilhões. Para não ter que me andar a repetir, deixo aqui a lista das coisas que fazia e do dinheiro que me iria custar.

OS 190 MILHÕES DO EUROMILHÕES



1º ACTIVIDADES LÚDICAS - Comprar um drone, aprender a manobrá-lo, atar-lhe uma bandeira da Espanha daquelas que têm um touro a preto, e no lugar da cabeça do touro meter uma foto do Pinto da Costa. Depois era só ir para o Dolce Vita com o comando do drone e divertir-me a espalhar o caos no meio dum jogo qualquer do FCP - 500 euros para a execução desta brincadeira

2º FERNANDO ALEXANDRE - Comprar o Fernando Alexandre à Académica. Ora, com 29 anos, o melhor jogador do mundo já não caminha para novo. Subornar o Jorge Mendes para lhe arranjar um clube top (Real Madrid, Barcelona, Bayern, Benfica) até ele conseguir ser campeão do mundo - 10 milhões de euros porque o melhor jogador do mundo não é barato

3º OPA AO FCP - Lançar uma OPA hostil ao FCP. Quando o controle da SAD fosse meu fazia como faço às vezes no Football Manager. Adicionava treinador (Octávio Machado é um nome consensual), vendia todos os jogadores e depois contratava cepos - Se a SAD do Belenenses custava 500€, ora o FCP também é azul e também é um clube de bairro, - 5000 euros e não se fala mais nisso


NN NOS CAMAROTES DA LUZ - Comprava os camarotes todos incluindo o do Vieira e mandava os dirigentes todos para o Piso 0 Sagres. Os NN todos espalhados pelos camarotes com direito a croquetes, VAT69 e croissants mistos dos pequeninos. - 1 milhão de euros e não se fala mais nisso

5º PICHA E COINA NA PRIMEIRA LIGA - Fazia grandes clubes de futebol na aldeia de Picha (Pedrogão Grande) e em Coina (Barreiro). Gostava imenso de ver clubes com estes nomes na 1ª Liga. Não faz mal a aldeia de Picha só ter 24 habitantes porque já vi jogos da União de Leiria com menos nas bancadas. Se sobrasse dinheiro ainda fazia um clube de jeito em Canal Caveira e tentava levá-lo à Liga dos Campeões - Uns 10 milhões de euros para esta ideia

6º CANDIDATAVA-ME À PRESIDÊNCIA DO BENFICA - Este era fácil. Se o Vieira consegue eu também consigo. Prometo logo à partida contratar o Rui Costa - que hoje em dia já nem joga à bola portanto com 2 maços de tabaco é nosso. Depois prometo contratar o Bernardo Silva e a massa associativa fica logo do meu lado. Promovo o regresso do Matic, Ramires, Rodrigo e Garay e quando o Vieira me perguntar como meto o boletim do Euromilhões no ar no meio da AG. Fácil - Uns 150 milhões para a execução desta brincadeira

7º NÃO QUERO QUE PASSEM FOME - Abrir conta fiado na roulote do Manelito no Estádio da Luz. Até um limite máximo de 10 milhões de euros todos os meus amigos (lista que apresentava, óbvio, não quero lá chulos a mamar à conta) podiam comer bifanas e beber imperiais. Dá à volta de 2 milhões de menus portanto acho que nunca iríamos passar fome enquanto fossemos vivos. - 10 milhões de euros

8º O QUE SOBRASSE INVESTIA EM JOGADORES BRASILEIROS PARA O JORGE JESUS

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Conta aquela, avôzinho! Nº6

No Maracanã, Urubu virou galinha!!! 
Dança, dança, 
dança a dança da bundinha!   

 


URUBU VIROU GALINHA


No final dos anos 60, os rivais do Flamengo costumavam provocar os seus adeptos com gritos de "urubu!" nos estádios. Os motivos? Raciais. Para eles, o Flamengo jogava com demasiados pretos no 11 inicial. Não contentes com isso, quatro estudantes adeptos rubro-negros tiveram a (muito) estranha ideia de capturar um urubu com o intuito de o levar para o maior derby da altura, o jogo com o Botafogo, e o soltar no relvado, com uma bandeira do Fla presa numa pata, para ver o que acontecia. Assim que o soltaram, o urubu abriu as asas e sobrevou a torcida do Flamengo que começou a berrar a plenos pulmões "é urubu! é urubu! é urubu!", depois, dirigiu-se para o lado oposto e sobrevou a bancada do Botafogo e os seus adeptos ficaram incrédulos, caladinhos, sem reacção. Quando aterrou no meio-campo o Maracanã estava em delírio e pelos vistos o plano funcionou impecavelmente bem, com o Flamengo a alcançar uma vitória por 2-1 sobre o Botafogo, uma vitória que na altura lhes escapava há 4 anos. 


O urubu imortalizava-se naquele momento como símbolo do Fla. 

15 anos depois, no entanto, o Flamengo sofreu um trauma que ficará para sempre na memória dos adeptos desse clube e dos adeptos rivais, especialmente os do tricolor Fluminense. Dezembro de 1984, eu tinha ainda nem um mês de idade, Maracanã com mais de 150mil adeptos para a final do Campeonato Carioca. Deixo-vos com as palavras de um adepto do Fluminense, certamente muito mais qualificado que eu para vos relatar o que aconteceu naquele dia:



O meu jogo !!!
Todos nós temos o jogo de nossas vidas e eu tenho o meu. O ano era 1984, era um Fla x Flu e tínhamos um time que vinha de um título carioca em 83 e brasileiro 84, na época o Brasileiro era disputado antes das finais do Carioca.
O jogo naquela época o jogo começava bem antes dos 90 minutos, o público foi de 153.520 pagantes, imaginem presentes?!? O jogo era sempre as 17hs e às 15hs o maracanã estava lotado.
A torcida do flamengo solta um urubu que decola de seu lado e vem na direção de nossa torcida, o maracanã estava dividido meio a meio, estávamos em peso, ele cruza a fronteira e vem voando por baixo das marquises da arquibancada, incrivelmente ele consegue passar por toda nossa torcida apesar de ser alvo de vários bombardeios. A torcida do flamengo vai ao delírio quando ele volta aos seus domínios e voa por cima de sua torcida, só não contavam que ele daria mais uma volta em território tricolor. Aí foi fatal, na segunda volta após cruzar de novo a fronteira, foi um ataque maciço, quando passou em cima da YOUNG foi acertado por um bolo de papel onde pegou em sua asa, perdeu altitude e caiu no meio da massa. Nossa torcida foi a loucura total num êxtase que ultrapassava a razão humana. Se eu falar que tive pena do urubu estaria mentindo, pois ver o lado adversário perplexo, calado, desolado e o nosso enlouquecido durante 20 minutos, foi algo que nunca vi em nenhum jogo e talvez nunca mais verei.
O jogo foi uma guerra digna de Fla x Flu, Flamengo tinha um time cheio de estrelas e nós Paulo Victor, Romerito, Washington, Leomir, Renê e ele Assis. Aos 30 minutos Aldo recebe a bola na linha de fundo e cruza com maestria e Assis sobe para no ar e cabeceia, Fillol fica parado sem reação, gol do Fluminense, gol de Assis gol do título, maracanã explode e vi uma das maiores festas da minha vida. Vi muitos títulos, mas com mais de 150 mil pessoas no maracanã contra o flamengo para mim foi inesquecível.
E foi Assis, o Carrasco, o meu eterno ídolo que sempre vai morar no meu coração !!!
                                                                                                                         
                                                                                                      Marcelo Jorand


Ficha técnica: Fluminense 1 x 0 Flamengo.
Decisão do Campeonato Carioca de 1984.
Data: 16/12/1984.
Local: Maracanã.
Fluminense: Paulo Victor; Aldo, Duílio, Vica e Renato Martins; Leomir, Renê e Assis; Romerito, Washington e Tato. Técnico: Carlos Alberto Torres.
Flamengo: Fillol; Jorginho, Leandro, Mozer e Adalberto; Andrade, Adílio e Tita; Bebeto, Nunes e Elder. Técnico: Zagallo.
Árbitro: José Roberto Wright.
Gol: Assis, aos 30 minutos do segundo tempo.
Público: 153.520 pagantes.
Renda: CR$ 788.175.000,00.


segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Conta aquela, avôzinho! Nº5

A GARRAFA DO SOUSA CINTRA


Esta história não deve ser novidade para ninguém mas tinha que figurar nesta rábula do Conta Aquela, Avôzinho... 

Antes de Bruno de Carvalho chegar a brigada do croquete reinava em Alvalade. Os salamaleques tornaram-se corriqueiros e o Sporting afundava-se num pântano de Paulas Bobones, com gente que de futebol percebia zero e que conduziam o clube para um fundo de onde seria complicado sair. Mas e antes da brigada do croquete? Antes mesmo antes? Antes, antes, antes? Sousa Cintra. 

Para aqueles que começaram a gostar de futebol nos 90s, como eu, Sousa Cintra era um corpo estranho no Sporting. O meu avô ensinou-me que o Benfica era o clube do povo e o Sporting o clube dos ricos, um clube de aristocratas com ideais opostos aos do meu clube... Mas o Sporting tinha Sousa Cintra e o Benfica tinha um senhor chamado Jorge de Brito. Não era suposto o presidente do clube dos aristocratas ter classe? 

Foi com Sousa Cintra que Portugal percebeu que classe não é eloquência nem um canudo da Universidade. Classe é entrares numa igreja com charuto aceso na boca. Classe é roubares duas pérolas ao teu rival e despedires um dos melhores treinadores do mundo só porque podes. Classe é conduzires o teu carro com tudo na mão menos um volante. Classe é gritares "é pénalte, porra!". Classe é começares como homem do elevador num Hotel e acabares dono, com o teu apelido, duma marca de cervejas. Isto sim é classe. Sousa Cintra era uma das principais alavancas dum novo Portugal que se erguia no pós-CEE, um Portugal pop de homens que vinham de baixo e que chegavam lá acima pelas manhas do chico-espertismo. A diferença é que Sousa Cintra sabia canalizar o seu dinheiro para coisas que realmente importavam, ao contrário de alguns latifundiários que preferiam canalizá-lo para jeeps.

"Em Portugal só não ganhas se não quiseres, pagas 30 mil contos e tens um campeonato nacional. Eu? Pagar para esses fdp? Nem morto!"
Não conseguimos apurar a 100% a veracidade destas afirmações mas confiamos na malta deste blog porque se está na blogosfera é porque é verdade. Antes de Vieira ou Dias da Cunha, já este homem falava no Apito Dourado!

Mas vamos ao que interessa. Vamos a um dos momentos mais hilariantes da história do futebol português, um momento que será para sempre recordado por aqueles que o ouvirem. Passem-no de pais para filhos, de avós para netos, passem-no aos primos da França, metam legendas e mostrem-no aos amigos no estrangeiro. Se nunca ouviram, ouçam agora! Quem me dera estar a ouvir este belo registo audio pela primeira vez.


Sousa Cintra - Ora bem, o meu amigo quer saber?
Jornalista - Pois sobre se há alguma novidade em relação ao Carlos Xavier e ao Oceano se...
Sousa Cintra - Ora o Carlos Xavier e o Oceano, dois dias de negociações, mete-se o fim de semana, não é? Finalmente chegámos a um entendimento né
Jornalista - Portanto é certo que o Carlos Xavier e o Oceano vão para Espanha, certamente um negócio muito vantajoso para o Sporting...
Sousa Cintra - É caraças, agora parti o vidro aqui vá ó caralho. Parti o vidro aqui do meu carro, pá
Jornalista - É pá isso é que é pior
Sousa Cintra - É pá ca granda porra pá. Fiz agora aqui... Tava a olhar pra... Tava a beber uma água *suspiro*. Tava a beber uma água. Coisa *suspiro* É preciso um gajo ser estúpido pá. Daquelas garrafas de deitar fora, então não é que eu acabei de beber a garrafa *suspiro* água, a falar consigo ao telefone... É pá... 
Jornalista - Ficou cara a garrafa de água e esta chamada...
Sousa Cintra - Que ganda coisa... Isto é inacreditável. Como é que é possível eu fazer uma coisa destas? 
Jornalista - Vai sozinho no carro, é?
Sousa Cintra - Hã?
Jornalista - Vai sozinho?
Sousa Cintra - Sozinho, pá! *vrrruuummm barulho de camião a passar* Isto é quase inacreditável, pá, olhe, eu pensei que tinha o vidro aberto, pá
Jornalista - Eiiiiiiiiiiii
Sousa Cintra - É pá...
Jornalista - Tão mas magoou-se?
Sousa Cintra - Hã?
Jornalista - Magoou-se?
Sousa Cintra - Não, não magooei mas parti o vidro do meu lado, pá
Jornalista - Eiiii
Sousa Cintra - Como é que é possível isto?
Jornalista - Essa agora...
Sousa Cintra - Esta. Esta é inacreditável, pá. Como é que é possível, desculpe lá esta conversa...
Jornalista - Então mas, mas como é que partiu o vidro?
Sousa Cintra - Hã?
Jornalista - Como é que partiu o vidro?
Sousa Cintra - É pá ia a passar ali ao pé de... No carro... Ia passar ali ao pé dum... Dum sítio... Dum sítio onde estava um... Arvoredo... Não é? Ia atirar a garrafa para fora da via *suspiro profundo*
Jornalista - Conclusão... A janela estava fechada e partiu o vidro
Sousa Cintra - A janela estava fechada e o vidro foi à vida

Para aqueles que ainda querem mais Sousa Cintra e que acham isto pouco, deixo-vos mais momentos fantásticos deste grande senhor:


Resposta ao comentário de um Anónimo


Um anónimo comentou isto na sequência deste meu post :
Tu pouco ou nada percebes de futebol!? O Porto foi superior e percebe-se facilmente! Deves de sofrer de clubite aguda para dizeres uma barbaridade dessas ou apenas deu-te uma diarreia mental! Houve alturas do jogo que o Porto não passava de meio campo mesmo com um árbitro ajudar a festa com dois claros foras de jogo que quase deram golo ao Porto (um deles penaltie!) e qualquer toque nas amálias do Porto era falta! O qual após repetições não eram NADA! O Sporting foi superior em algumas fases do jogo, e o Porto também! O jogo pautou por um equilibrio de ambas as equipas, no qual o Sporting saiu por cima porque em termos de colectivo está anos luz á frente do Porto (culpas de Lopetegui devido á rotatividade)! E no futebol o colectivo vale muito mais que as individualidades (graças a deus que é assim)! Claro que também é importante ter bons jogadores, mas muitas vedetas não fazem uma equipa e nem nunca fizeram! O Porto teve mais oportunidades, só se contares as repetições dos lances várias vezes! Na 1ª parte: Sporting teve 4 oportunidades (2 golos...1 deles autogolo); Porto teve 4 oportunidades (1 golo). Na 2ª parte: Sporting teve 5 oportunidades (1 golo), o Porto teve também 5 oportunidades, mesmo contando com 2 lances precedidos de fora de jogo, num deu penaltie e noutro brahimi quase marcava (malhas laterais). Neste lance foi adrian que no inicio do lance estava em fora de jogo (uns 3 metros à vontade) e deu inicio á jogada em que brahimi quase marcou! Por isso pega na gravação dos lances mais perigosos de ambas as equipas e vais ver que em oportunidades foram iguais mesmo contabilizando 2 lances irregulares que o árbitro decidiu não ver e fora o festival de faltas junto á área em que a maioria não era!

1º Este anónimo acusou-me de sofrer de clubite aguda. Eu sou Benfiquista e vi o Porto vs Sporting da mesma forma que os vejo quase sempre: a torcer pela derrota do Porto. Eu considero o Porto, enquanto este tiver o Pinto da Costa ou alguém da sua linhagem como líder, um clube inimigo do Benfica e inimigo do desporto. Considero o Sporting um clube rival que merece respeito. Aos portistas que lêem isto, saibam que nada tenho contra o clube Porto ou contra os adeptos portistas, apenas tenho algo contra a direcção responsável por atentados à verdade desportiva e em grande parte responsável pela clivagem norte-sul a que assistimos no nosso país. Antes que comecem a falar do exemplo que tenho no meu clube fiquem a saber que não sou apoiante do Vieira. Sei reconhecer méritos na gestão do Vieira tal como certamente existirão méritos na gestão do Pinto da Costa. A integridade e honestidade de ambos é facilmente questionável e como tal Vieira nunca terá o meu apoio inequívoco e a única forma de cair um voto meu neste senhor, em eleições, é com o Guerra Madaleno a candidatar-se como oposição.

2º Este anónimo faz considerações sobre a arbitragem do encontro, coisa que não discutimos neste blog e que nunca discutiremos. Se pretende falar de arbitragens, dirija-se a outro tasco mais especializado no assunto

3º Este anónimo faz considerações erradas sobre o jogo em si motivadas por algo que eu escrevi. Cito-me nesta matéria:
"O Porto hoje foi superior e quem viu o jogo com olhos de ver percebeu facilmente isso. O Porto teve mais oportunidades claras de golo, Patrício foi preponderante e o Sporting acabou por conseguir jogar bem com a sorte que teve."
Confesso que depois de ler o comentário do anónimo fiquei espantado e pensei se os martinis e a sangria que bebi na noite de Sábado não tinham influenciado o meu post... Ora bem...
... Parece que não, parece que afinal não estou maluco e que vi realmente o jogo que passou na televisão à minha frente. De qualquer forma o caro anónimo não percebeu o teor do meu post. É que eu com ele não queria rebaixar a boa prestação do Sporting no dragão nem diminuir o grande trabalho do Marco Silva esta época, trabalho esse que eu realcei ao afirmar que o que aproximava qualitativamente o Sporting do Porto não era a qualidade individual dos jogadores mas sim a qualidade do colectivo, mesmo apesar de todos os evidentes erros primitivos que a defesa ainda comete. Eu com o post queria só tocar na ferida agora exposta daqueles que ainda há bem pouco tempo veneravam o Lopetegui e criticavam o Marco Silva. Quero tocar na ferida de todos aqueles que não sabem ser coerentes, de todos aqueles que defendem que o Jesus devia sair do Benfica para chegar o Cajuda ou um Quique Flores qualquer. Quero tocar na ferida daqueles que acham que podem criticar ao sabor do vento sem que ninguém os questione depois. Pelos vistos o caro anónimo deve ter uma bela ferida exposta e provoquei-lhe algum ardor. Lide com isso. 

domingo, 19 de outubro de 2014

Como falar de bola sem fazer figura de urso

Olá, amiguinhos! Então, gostaram da Taça? Eu gostei e foi emocionante acompanhar o Famalicão vs Pombal, com o Famalicão a chegar ao golo da vitória já nos descontos e a jogar com 10 elementos. Aposto que os meninos andaram aí a ver o Benfica e o Sporting e cagaram no resto. Tudo para se guardarem para o enorme Vitória de Sernache vs Vieira SC que há amanhã, eu compreendo. E aposto também que já andaram por essa internet fora a fazer figurinhas. Como? Então, basicamente, a malhar no Jesus e em quiromanias pelo Marco Silva. Está portanto na hora de ouvirem umas belas verdades, meterem um chapéu com orelhas de burro, pegarem numa cadeira virada para a parede e sentarem-se nela enquanto ouvem alguém que sabe ler vos ditar o que aqui escrevo. 

Primeiro vamos ao primeiro. Jorge Jesus. Antes de mais nada, burros do caralho, lembrem-se: não é o Jorge Jesus que contrata, vende, empresta e passa o cheque - esse alguem chama-se Luís Filipe e não, não é o lateral direito. O Jesus emprestou o Bernardo Silva? Não, o Vieira é que. O Jesus ia utilizar muito o Bernardo Silva? O Jesus devia apostar mais no Bernardo Silva? Só se o Jesus fosse estúpido - Ui, escândalo. O Jesus não joga com nenhum 10 e para jogar nas alas tem Salvio, Gaitan e Ola John como principais escolhas. Faria sentido montar um novo esquema trabalhado especialmente para o Bernardo Silva? Então ia-se desmontar uma base que vem da época passada, que funciona bem, que é estável em todos os sectores só porque "ai ui oportunidades aos meninos" ? É pá, vão fazer meninos. Então o Jesus não dá oportunidades aos meninos e hoje que as dá, ao intervalo, já está tudo em pânico a malhar no homem porque ai ui oportunidades às 2ªs linhas? Há quem adopte crianças... Porque é que não adoptam coerência? Sai mais barato que crianças. 
PS: Hoje li um gajo a dizer algo estilo "o Jesus que nos dê a dobradinha e que no final do ano saia!!!!!! Devíamos dar uma oportunidade ao grande benfiquista Cajuda". Agradeçam a esta alminha este post que vos escrevo

Segundo... Sporting. A constatação do óbvio: a defesa do Sporting é péssima e a do Porto também. Digo isto desde que vi as escolhas do Lopetegui para o sector, mais concretamente os milhões estoirados no Indi. Digo isto desde que vi no ano passado o que o Maurício vale e desde que vi o Sarr a jogar à bola. O Marco Silva deixar o Paulo Oliveira no banco acho que é o erro mais óbvio que se pode apontar na construção do 11 leonino. E neste jogo, será que se justifica a euforia leonina e a depressão tripeira? Será que os deuses estavam loucos na pré-época e agora é que estão certos? Porque é que não adoptam coerência? Sai mais barato que crianças. O Sporting não é mais forte que o Porto. O que aproxima o Sporting do Porto é o facto da equipa estar melhor trabalhada do que a do Porto, mas isso não torna uma equipa melhor que a outra porque o deficit de qualidade dos jogadores do Sporting ainda lá está em comparação com os do Porto, o que isso faz é aproximar as duas equipas mas não ao ponto do Sporting ser melhor. O Porto hoje foi superior e quem viu o jogo com olhos de ver percebeu facilmente isso. O Porto teve mais oportunidades claras de golo, Patrício foi preponderante e o Sporting acabou por conseguir jogar bem com a sorte que teve. Mas será que Lopetegui é assim tão mau para merecer já lenços brancos e o título de "pior treinador da história do Porto" num clube que teve o Octávio Machado? Lopetegui nem meio ano tem com jogadores que nem há meio ano se conhecem. Lopetegui não conhece a liga e a sua direcção contratou em demasia e não soube avaliar bem o que estava a fazer. Que culpa tem Lopetegui? Exigia-se mais futebol? Os mesmos que exigem mais futebol a este Porto são os mesmos que há algumas semanas atrás se fartavam de elogiar a organização ofensiva e o critério dos jogadores do Porto. Já ouviram falar em coerência? Tenho aqui meia dose para adopção, alguém precisa?

sábado, 11 de outubro de 2014

Meanwhile in... #ESPECIAL EXTRA FANTÁSTICO

             Especial Meanwhile In… Liga Indiana!!



JÁ CHEIRA A CARIL! Vivó Martim Moniz! Este fim de semana arranca aquela que promete ser a liga mais espectacular dos últimos tempos - pelo menos para os lados da Ásia! Falamos, como é óbvio, da Indian Super League 2014! Esta será a 12ª edição da prova, mas a primeira sob este nome.  Pois é, pessoas, uma data de jogadores veteranos resolveram fazer as malas e ir jogar para a Índia. Como nós somos uns gajos porreiros, vamos deixar-vos com uma ideia do que se irá passar neste campeonato. Gostamos de vos manter informados até porque há muita gente interessada nesta competição e nenhum blog ou jornal se digna a fazer um especial sobre isto! Mas nós, amigos, somos doentes e vamos seguir esta liga como quem segue a Champions.

Esta liga será constituída por 8 equipas e terá a duração de aproximadamente dois meses que prometem ser bastante competitivos e com jogos absolutamente épicos - nem que seja uma epicidade estilo Britcom na RTP2, à noite no fim de semana, depois de um gajo chegar a casa com uma bubadeira do caixão à cova. Passemos então à apresentação dos oito clubes em prova:

Atlético de Kolkata
Situado em Calcutá, o Salt Lake Stadium tem capacidade para 120 mil pessoas. Coisa pouca, portanto! Este clube tem estrelas como Apoula (guarda-redes ex-PSG ), Josemi (defesa direito campeão europeu pelo Liverpool) e Luís Garcia (Atl. Madrid, Barcelona, Liverpool). Nomes sonantes num conjunto que tem jogadores como Climax Lawrence ou o Ofentse Nato (internacional pelo Botswana).
Equipamento: a imitar o Atlético de Madrid

Northeast United
Tzorvas na baliza, Miguel Garcia na defesa, Guilherme Batata no meio-campo, Koke (esse mesmo, o ex-Sporting) no ataque. Uma verdadeira constelação de estrelas em qualquer posição da equipa, liderada pela estrela mais mítica de todas: Capdevila! Portanto, pelas alas os adeptos do Northeast podem dormir descansados. Esperamos ansiosamente pelas prestações de jogadores como Zodingliana Ralte ou os zambianos Mtonga ou Chansa. 35 mil espectadores ávidos de bons espectáculos marcarão presença nos jogos deste clube que representa a cidade de Guwahati.
Equipamento: A imitar o Bayern de Munique

Pune City
Shree Shiv Chhatrapati Sports Complex. Não, não vos estou a mandar para o caralho em indiando, este é mesmo o nome do complexo desportivo do Pune City. Com capacidade para 22 mil pessoas, este “modesto” estádio terá o privilégio de receber nada mais nada menos que: Bruno Cirillo (ex-AEK, PAOK e umas 20 equipas italianas), Katsouranis (ex-Benfica), Panandetiguiri !!!!!!! (ex-Leiria) e o fantástico David Trezeguet (ex-Juventus e Mónaco). Um plantel bastante homogéneo, que conta ainda com mais dois italianos, só para o Cirillo não se sentir sozinho, coitado. Nomes como Lenny Rodrigues e Joaquim Abranches poderão dar nas vistas a qualquer altura.
Equipamento: que não lembra ao diabo. Listas verticais roxas e laranjas.


Delhi Dynamos
Quem é que vai varrer tudo para os lados do Rajastão, quem é? É isso mesmo: Alessandro Del Piero. Depois de duas épocas no Sydney FC, o astro italiano resolveu continuar pela Ásia(*) e passear toda a sua classe por Deli. Os dinamarqueses Skoubo e Junker serão certamente os seus parceiros no ataque, com o português Henrique Dinis (ex-Guimarães) no apoio. Na baliza, um Marek Cech cheio de experiência (não, o lateral ex-Porto não deu em guarda-redes, este é outro) para acalmar os defesas mais ansiosos, como Govin Singh ou Robert Lalthlamuana. 50 mil espectadores parece-me pouco para estes galácticos.
Equipamento: a imitar o Chelsea

Kerala Blasters
Alguém tem coragem de se meter com uma equipa com um nome destes? Blasters? Eu já tinha desistido. Os arqui-rivais dos Dehli Dynamos (irão partilhar o mesmo estádio) contam nas suas fileiras com Michael Chopra, avançado histórico que passou ao lado de uma grande carreira em Inglaterra e que irá tentar ser feliz aos 30 anos de idade. Ah e tal, mais uns nomes medianos, um Milagres Gonsalves aqui, um Ramandeep Singh ali, um Sushanth Mathew acolá, quando de repente: David James! O mítico guarda-redes inglês será treinador/jogador, coisa que já não se usa desde os tempos do Vialli no Chelsea (e do Giggs no United, mas este nem devia contar). Como será quando o treinador David James vir o guarda-redes David Calamity James dar mais um frango? Cá estaremos para ver.
Equipamento: a imitar a selecção brasileira


Chennaiyin FC
Pá…Eu só sei que o nome do estádio destes tipos é igual ao anterior, mas com menos 10 mil pessoas. O Jawaharlal Nehru devia ser mesmo um gajo importante na Índia (quem souber que responda nos comentários porque a mim não me apetece pesquisar). Estes tipos parecem-me, à partida, a equipa mais forte da competição. Porquê? Marco Materazzi. Acho que este nome chega perfeitamente para todo e qualquer adversário. Secundado por Mendy (ex-PSG, Hull), Bracigliano (GR ex-Marselha), Silvestre (ex-Man United, Arsenal) e ainda Elano (ex-Man City, Galatasaray, Shakhtar Donetsk). Com uma equipa tão boa do meio-campo para trás, basta um Jeje Lalpekhlua ou um Balwant Singh na frente para resolver os jogos.
Equipamento: um cruzamento de Alverca com a selecção holandesa




FC Goa
Este é claramente o clube que o adepto português irá apoiar. Porquê? Muito simples: Goa, Damão e Diu, todos nós aprendemos isto nas aulas de história, portanto é motivo mais do que suficiente para subscrevermos até a ficha de sócio deste simpático clube. Como se isso não fosse motivo suficiente, ainda vos damos mais uns quantos: André Santos (ex-Arsenal e Fenerbahçe), Grégory (ex-Paços de Ferreira), Edgar Marcelino (aquele gajo que era um cracalhão nas camadas jovens do Sporting e depois nunca mais ninguém soube dele até agora), Bruno Pinheiro (ex-Gil Vicente e Boavista), Miguel Herlein (camadas jovens do Benfica). Todos fiéis escudeiros do eterno Robert Pires (ex-Arsenal). Não sei se vão conseguir superar Materazzi e sus muchachos, mas contem comigo para apoiar o Goa. Os 24 mil adeptos que se deslocarem ao Fatorda Stadium é que não vão ficar muito contentes de ver as pérolas da formação Romeo Fernandes e Holi Narzary sentados no banco. É a vida…
Equipamento: a imitar a selecção holandesa




Mumbai City FC
55500 espectadores numa cidade com 12 milhões. Os presidentes Ranbir Kapoor e Bimal Parekh vão ter muito que explicar; um estádio tão pequeno para tanta gente, quero ver quando chegarem os jogos do título e todos quiserem sair das redes sociais para ir ao Dy Patil apoiar o seu clube…Enfim. Mais um jovem saído de Guimarães para o futebol indiano, desta vez o guarda-redes André Preto, que comandará uma defesa composta por talvez um Peter Costa, um Deepak Mondal e pelo Manuel Friederich, campeão alemão em 2004 pelo Bremen. No meio-campo temos um Tiago Ribeiro (formação do Benfica), um Lalrin Fela, um Asif Kottayil … e temos Ljungberg (ex-Arsenal), jogador que estava parado desde 2011 mas que resolveu dar uma perninha  a um seu antigo companheiro em Inglaterra: Nicolas Anelka. 
Equipamento: a imitar o Trofense




E está assim feita uma espécie de resumo desta que promete ser uma liga espectacular, onde os craques são mais que muitos e onde o apelido Singh promete confundir todo e qualquer analista de futebol. A liga arranca este domingo, com um estonteante Atlético de Kolkata vs Mumbai City. Cá estaremos a acompanhar este campeonato, espero que os nossos leitores não deixem igualmente de lhe dar atenção.

(*) Se na parte do Del Piero ter continuado na Ásia começaste aí a disparatar “ah e tal, que borrego este gajo do Bujas, toda a gente sabe que a Austrália faz parte da Oceania”, sim senhor, muito bem, mas onde é que a selecção faz o seu apuramento para o Mundial? Quem é que vai ser o anfitrião da Asian Cup 2015? Quem está na final da Liga dos Campeões asiática? Então vai pró caralho!

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Conta aquela, avôzinho! Nº4

AS ESCUTAS DO PROFESSOR


“É preciso limpar toda a porcaria que existe na Federação”. Foram estas as palavras mais marcantes do seleccionador Carlos Queiroz em Novembro de 93, após perder 1-0 em Itália e dizer assim adeus àquele que seria o melhor mundial de sempre, Estados Unidos 1994. Obviamente, Queiroz não continuou no cargo de seleccionador e, após os títulos mundiais de sub20  (89 e 91), muitos questionavam qual seria o futuro do Professor. Mas não foi preciso esperar muito tempo...



Em Dezembro de 93 o Sporting de Bobby Robson cai às mãos do modesto Casino Salzburgo, num jogo a contar para a Taça Uefa. Após a vitória por 2-0 em Alvalade, os leões foram surpreendidos na Áustria e perdem por 3-0 (com o Costinha na baliza queriam o quê?) e Sousa Cintra despede o inglês (único despedimento da sua longa carreira como treinador) e contrata o Professor Carlos Queiroz. O Professor ficará ligado aos leões até 96, já o presidente era Santana Lopes. A relação entre os dois nunca foi famosa e o treinador acabou mesmo por sair, sendo substituído por Octávio Machado posteriormente.

“Grande novidade que me estás a dar, ó Bujas…”
, - pensarão os nossos leitores ao ler estes dois parágrafos. Concordo, até aqui tudo bem! Mas agora vem a parte que provavelmente muitos de vocês não sabem…

Queiroz era um treinador metódico e um dos métodos que encontrou para melhor tentar controlar os jogadores foi através de … Escutas no balneário. É verdade, não estou a dar-vos tanga, isto é mesmo verdade e foi-me contado pelo meu já famoso primo da Repsol. Claro que não vos vou dizer qual Repsol e qual primo. O que é certo é que o Professor tratou de instalar uns belos microfones por todo o balneário leonino. Consta-se que os jogadores nunca descobriram esta façanha de Queiroz, mas todo este aparato serviu apenas para Queiroz vencer uma Taça de Portugal (bis de Iordanov contra o Marítimo do mítico Everton) e uma Supertaça.

Nunca nenhuma escuta deste tipo saiu para a Comunicação Social, mas o ‘Ai Vale Bujas?’ teve acesso a algumas das escutas mais ouvidas pelo Professor Queiroz, encontrámos este material numas disquetes estranhamente deixadas na nossa caixa do correio. 

Avisamos os leitores que algumas das escutas podem ser consideradas chocantes e precisar de bolinha no canto superior direito (ou de um Dot do adopte um Dot):

Ai isto agora com o Pacheco 'tá ganho” – Paulo Torres, durante o banho, após ser substituído por Pacheco no Sporting 3-6 Benfica de 94;

O Queiroz parece um bocado amaricado, aposto que gosta de controlar o rabinho ao Cadete” - Figo, em amena cavaqueira com Peixe, após uma pré-época. Ao ser abordado por Queiroz, Figo respondeu que se referia ao Queiroz da padaria "Os Maias"

Não suporto o Carlos, vou falar com o Presidente e fazer um ultimato: ou ele ou eu. E ele que nem pense em ficar com os filhos, as chaves da casa e o carro” – Afonso Martins. Em conversa com o seu treinador, Afonso Martins responde que fala de Carlos Xavier e da maneira como era tratado pelo colega;

Aê Naybet, meu irmão deixaria você de olhos trocados rsrsrs” – Assis a falar sobre Ronaldinho. Queiroz riu-se e não quis saber.

Então mas este cabrão não me convoca? Um dia destes vou-lhe às trombas” – Sá Pinto. Visivelmente transtornado, Queiroz fala com o seu jogador, que o sossega e diz estar a falar de Artur Jorge.

sdkjsdjksdjkfsdjkfdsjsgdjh” – barulhos estranhos neste trecho. Descobriu-se posteriormente que era Dominguez a tentar sair de um cacifo onde Oceano e Marco Aurélio o tinham trancado.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Pontapé Canhão Nº5 - Paulo Torres

PAULO TORRES

Alcunha: Roberto Carlos português



Para começar, nem sei se esta alcunha existe ou não, o que é certo é que tanto o Roberto Carlos como o Paulo Torres participaram no Mundial de Sub20 em 1991 e mostraram ao Mundo a sua buja. Acontece que enquanto um depois ficou mundialmente famoso pelos seus remates com a bola aos s’s, o outro, bem, o outro vamos lá a ler…

Nascido em Évora, Paulo Torres começou a dar nas vistas nas camadas jovens do SL Évora, despertando o interesse do Sporting. Completou em Alvalade o resto da sua formação e Manuel José estreou-o pela primeira vez no campeonato maior em 88/89. Fez apenas um jogo, mas não era fácil roubar o lugar a Fernando Mendes. A sua utilização entre a sua estreia e a época 91/92 foi sempre muito intermitente, nunca conseguiu agarrar o lugar, mas a já falada participação no Mundial Sub20 garante-lhe a continuidade necessária numa equipa que passava por momentos conturbados (todos sabemos como foram os anos 90 dos leões).

Em 92/93, quando o cenário parece estar a mudar…Tudo na mesma, titularidade na 1ª jornada e a próxima aparição é apenas contra o Fátima, em Janeiro, nos oitavos de final da Taça. Mas Bobby Robson volta a dar-lhe a titularidade contra o Benfica, em Março e, apesar da derrota por 1-0, Paulo Torres parece convencer o técnico inglês e mantém-se na equipa até final da época,  alcançando o seu primeiro golo em Maio, num estonteante jogo em Guimarães que os leões vencem por 3-2 (vale a pena ver o vídeo, o golo do Paulo Torres começa aos 6:00). Termina a época com 2 golos (duas bujas, obviamente) e parte como principal lateral para a época seguinte. 



A época 93/94 não corre de feição ao Sporting, com Sousa Cintra a cometer um erro histórico (troca do grande Bobby Robson pelo treinador da moda Carlos Queiroz). Perdem o campeonato em casa (a substituição de Paulo Torres por Pacheco ficará na história do futebol português) contra o seu eterno rival e perdem a final da Taça após finalíssima contra o Porto. Paulo Torres faz 5 golos nos 43 jogos em que participa e as coisas parecem encaminhar-se para uma carreira bastante promissora. Puro engano! 



Queiroz utiliza-o apenas em 7 jogos na época seguite e acaba por ser dispensado para Campo Maior, onde partilha o balneário com jogadores como Paulo Sérgio (GR), Gila, Nuno Afonso, Arriaga, Portela (ex-Farense), Goran Stefanovic (também ex-Farense) e um tal de … Jimmy Floyd Hasselbaink. Apesar destes craques todos, o clube alentejano não evita a despromoção e Paulo Torres prossegue a sua meteórica queda. Duas épocas no Salamanca (15j/0g), Rayo Vallecano (zero jogos), Chaves (10j/1g), Legañés (zero jogos),  Torreense(25j/1g), Penafiel (2j/1g) e termina a carreia no Imortal, com um jogo efectuado. O que prometia ser uma grande carreira transformou-se num aparente pesadelo para um jogador que era considerado por muitos o melhor defesa esquerdo português dos anos 90. Fez apenas dois jogos pela Selecção.

Uma carreira com altos e baixos e também com poucos golos (apenas 10), o que não deixa de ser curioso num jogador que tinha um pontapé que fazia as partes baixas de qualquer Vital se arreganharem.



Passou para a carreira de treinador a partir de 2003, inciando a sua carreira em Peniche e já com passagens por Fátima, Barreirense, Bombarralense, Rio Maior, Torreense, At. Reguengos e Sp. Bissau. Está actualmente a orientar a selecção da Guiné Bissau. Um vasto currículo para quem tem apenas 42 anos de idade.

Como prova o seguinte vídeo, deixou saudades em Rio Maior: