domingo, 5 de julho de 2015

Crimes na Copa America


CRIMINOSOS

Alexis Sanchez fez o que tinha que ser feito. Um golpe sem dó nem piedade. Crueldade servida à temperatura do topo dos Andes. Gelou o corpo de Messi. Podia ter também gelado o cérebro do Tata Martino... Mas Tata não tem cérebro para congelar.

Nos últimos 3 campeonatos do Mundo só o do ano passado no Brasil contou com uma equipa sul-americana na final. A Argentina de Sabella jogava um futebol patético e só marcou presença na final por sorte e por Messi. Apanhou nos oitavos a Suiça e suou para a ultrapassar no prolongamento. Apanhou a Bélgica nos quartos e quem viu o jogo deve-se lembrar do azar do De Bruyne onde a bola batia em todo o lado menos no fundo das redes. Nas meias-finais, contra a Holanda, só carimbou a passagem nos penaltis. Na final a raça sul-americana dos jogadores fez com que não sofressem uma humilhação à conta da melhor selecção do mundo: a Alemanha. O trabalho de Sabella? Estar no banco ou não estar ia dar ao mesmo.

Tata Martino é como Sabella e como Dunga e como outros tantos. São péssimos no que fazem e escolheram a profissão errada porque fazem mal ao futebol de que gostamos. Mas para eles está tudo 5 estrelas porque estão com o cu cheio de dinheiro. Agradeçam aos engravatados que vos contrataram e a todos os santinhos porque se as vossas federações percebessem de futebol estavam todos a lavar escadas no Maracanã. Treinadores como Tata Martino ou Dunga fazem figura de corpo presente.

Nem Argentina nem Brasil sabem defender. Os jogadores sabem. Muitos trabalham todos os princípios de que precisam para saber defender nos seus clubes europeus. Mas Tata Martino e Dunga não sabem montar uma equipa que possa usufruir do talento dos seus defesas. Então o que fazem? Enchem a equipa com jogadores de características defensivas. Ainda pensam em 2015 que podem dominar um jogo e demonstrar o favoritismo que possuem desta forma. Não podiam estar mais enganados.

Mas vamos aos 11 base brasileiro e argentino. Confesso que já estava cheio de saudades da famosa táctica do pirilau. Uma táctica que ficou famosa em Portugal com o Paulo Autuori e que pelos vistos ainda se aguenta até 2015. Isto falando do Brasil... Já a Argentina do Tata Martino é igual a tudo, é enfadonha, é um atentado a quem gosta de futebol ainda por cima com génios como Messi, Di Maria ou Aguero na convocatória.


Eu imagino estas selecções orientadas por um técnico espanhol como Unai Emery, Marcelino Toral ou Paco Jemez. Eu imagino estas selecções orientadas por um técnico da escola alemã como Roger Schmidt, Dieter Hecking ou o suiço Lucien Favre. O que têm todos em comum? Ideias. As suas equipas atacam, marcam golos e dá gosto ver os seus jogos. Lembram-se quando ver o Brasil ou a Argentina era bom? Eu não. Nunca vi isso acontecer. Nem quando havia Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho. Lembro-me de bons golos mas não me lembro de bom futebol. Nem em 1994 me lembro do Brasil a praticar bom futebol. 

Os dois países que melhores futebolistas produzem, ano após ano, envergonham o universo do futebol com as suas selecções. Já chega. Está na hora de mandar estes criminosos para a prisão. 

Parabéns, Chile. Foi espectacular e especial. A Argentina merece esta dor. 

Por fim... Querem rir-se? Leiam isto: Vanderlei Luxemburgo experimenta LSD pela 1ª vez e dá uma entrevista




23 comentários:

  1. ROFL!!! Terminas com uma bujarda de se tirar o chapéu, meu caro!

    ;)


    P.S.: Onde está o botão de subscrevo?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A entrevista do Vanderlei é épica. Por falar em Vanderlei, já te disse que Vanderlei é nome de travesti? Não é que eu frequente travestis mas claramente é.

      Que botão, méne?

      Eliminar
  2. Sem tirar nem por. Mais que Brasil e Argentina, o futebol Sul-Americano precisa de uma profundíssima refundação técnica. Ver esta copa América foi um compêndio de tédio e lições de mal jogar de inicio ao fim. Horrível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tédio não senti... Os jogos são maus do ponto de vista táctico mas depois há tanta velocidade, tanta correria disparatada, boa técnica, fantasia, pancadaria, bancadas ao rubro, que acaba por ser bonito.. É mais ou menos como a Premier League. A Premier League tem técnicos horríveis que sepultam carreiras de jogadores promissores, mas entrega-nos o melhor espectáculo do mundo. O futebol espectáculo não tem nada a ver com futebol bem jogado. Agora, José, lições de mal jogar foi jogo sim jogo sim. Sem dúvida!

      Eliminar
    2. A mim deu sono. Talvez pelo horror de não aprender nada de novo ao ver aquilo. Talvez por ver coisas que pensei não voltar a ver, como a marcação individual a todo o campo a Messi e Di Maria que a Colômbia fez, não sei. Pior só o campeonato Brasileiro que para além de ser do mais pobre que já vi na vida, ainda junta o facto de ser jogado a passo de tartaruga. Brasil e Argentina precisavam do abanão muito forte, do tipo: ficar de fora de um Mundial... Mas isso é quase impossível de acontecer com o modelo de qualificação sul americano

      Eliminar
    3. Isso dava um post novo com muita futurologia. A Argentina e o Brasil no futuro vão estar sempre próximos da vanguarda. Na Europa estuda-se muito o futebol, a formação evolui, os clubes usam tecnologias que há 10 anos seriam utópicas, mas no futuro a Argentina e o Brasil também vão usá-las e evoluir. Isto também tem a ver com o momento económico das nações. Há quem diga que o continente sul-americano é o que mais potencial tem para crescer no futuro. Não há guerra, a classe média cresce, a corrupção diminui e os países evoluem. O Brasil é o país do mundo com mais matéria prima, com mais genética para o futebol. Se esquecermos a qualidade do campeonato e olharmos apenas para o potencial dos clubes chegamos facilmente à conclusão que o potencial do River Plate, Boca Juniors, Flamengo ou Corinthians é superior ao do PSG, Valencia, Manchester City ou Chelsea (mesmo que estes dois últimos tenham das melhores academias do mundo) caso estejam enquadrados numa economia forte.

      Eliminar
    4. Concordo que tenham um potencial imenso na genética dos praticantes e também nos seu poder financeiro, mas falta-lhes o essencial: Estratégia e conhecimento. Conhecimento do jogo e da formação e estratégia para implementar esse conhecimento. E isso só o conseguirão no dia em que se admitirem ultrapassados e assim abrirem as portas aos treinadores europeus. No dia que quiserem ter a mentalidade europeia e a saibam atrair para si, serão novamente senhores do Futebol. Mas para conseguirem atrair gente europeia de qualidade têm de abrir a porta dos seus baluartes: As selecções principais. Só estas têm capacidade desportiva para atrair os melhores, pois não estou a ver nenhum treinador de ponta a querer treinar nos campeonatos sul-americanos, coisa diferente seria se lhes for proposto o cargo de seleccionador do Brasil ou Argentina. Se e quando isso acontecer, estarão a dar o maior passo para a hegemonia do futebol mundial dos últimos 20/30 anos.

      O problema é eles admitirem que estão mal e que não sabem, por si só, como sair do buraco onde se encontram. Quando vi o Brasil a levar 7 da Alemanha, no seu Mundial, confesso que tive a esperança de que eles dessem esse passo... Mas se não foi aí, não sei quando será.

      O Brasil bateu no mais fundo que podia bater. Para lá dessa derrota inenarrável e que, não fosse a misericórdia Alemã, teria tomado proporções nunca vistas, acabam de ser eliminados por um Paraguai que leva 6 de uma pobre Argentina. Tudo isto em menos de 1 ano. Não sei do que mais precisam para abrir a pestana de vez.

      Eliminar
    5. Desculpem-me intrometer no vosso diálogo, mas como acho interessantes os temas que estão debater, aqui vai:

      1 - Vale Bujas, não acho nada que a Premier League tenha técnicos horríveis. A questão é que a Premier League é a liga mais nivelada por cima em termos de qualidade. O Medel que hoje foi campeão sul-americano, jogava até à bem pouco tempo num Cardiff City, o equivalente a um Tondela cá do burgo. Assim sendo, todas as equipas têm bons executantes e quando assim é, torna-se difícil conseguir um estilo de jogo como o Barcelona e o Real Madrid conseguem implementar sobre os adversários. Isto porque a qualidade técnica e física em Espanha é tirando estes dois colossos e mais uma ou outra equipa com qualidade, é inferior à da EPL. Em Inglaterra tens pelo menos 5 clubes com planteis para conquistar a Liga. Em Espanha actualmente tens dois mais um "outsider". Essa diminuição de valor entre as equipas faz com que nenhuma seja inteiramente avassaladora sobre as restantes. Isso faz com que o jogo acabe invariavelmente num jogo de dois momentos: transições ofensivas e defensivas. Raramente em Inglaterra conseguimos ver um jogo onde um adversário está constantemente num momento defensivo ou ofensivo puro. Já em Espanha, na Alemanha e até mesmo em Portugal isso já não acontece, dado o enorme desequilíbrio de valores das equipas e também verdade seja dita a uma diferença de mentalidades.

      2 - O futebol no Brasil está a mudar. Hoje em dia já existe muito jogador estrangeiro sul-americano nas grandes equipas brasileiras. Talvez por isso, a canarinha tenha hoje um problema de ponta-de-lança que nunca teve na sua história. Olhem para as equipas de topo do Brasil e vejam quantos dos avançados são estrangeiros? E quantos dos brasileiros são jogadores que já estão na curva descendente? É verdade que o Brasil tem de evoluir com conhecimento vindo de fora. Têm estado demasiado isolados do mundo exterior. Mas, também vos digo: os brasileiros devem escolher com critério. Não pode ser alguém que queira chegar lá e implementar um método da sua terra. Tem de ser alguém que queira ir para o Brasil, entender os seus problemas e as suas virtudes e reconstruir todo um novo método para eles. Mas, calculo que para isso acontecer é necessário haver uma revolução social, no sentido, da forma como toda a sociedade pensa. Por exemplo, os jogadores mesmo os ditos "profissionais", quando comparados com os europeus são "meio-profissionais"... e isto combate-se com uma mudança de meio. Se tiveres um meio onde os jogadores são premiados mesmo sendo "meio-profissionais", estás tramado se fores para lá tentar implementar o profissionalismo europeu. E, isto é só um exemplo.

      3 - Sobre a matéria-prima dos países sul-americanos, penso que não é assim tanta. Aliás, o que penso que está a acontecer nesses mercados é que já houve uma espécie de pesca excessiva e abusiva. E continua haver. Tal como na pesca é necessário que seja feito um certo controlo em termos de quantidade e de tempo para pescar, pois caso contrário não haverá renovação e o filão esgota-se. O mesmo acontece com os mercados sul-americanos. Por exemplo, hoje em dia estes mercados, sobretudo o brasileiro e o argentino, continuam a ter jogadores talentosos, mas é raro encontrar um jogador de futebol no verdadeiro sentido da palavra e de grande nível. Porquê? Porque não há tempo para os jovens ganharem o tal calo.

      Eliminar
    6. Antes de mais obrigado por esta conversa maravilhosa. Coisas assim fazem-me querer escrever.

      Brasil - Tinha um tio em Minas Gerais que faleceu há uns anos. Visitei Belo Horizonte quando era puto e fiquei a gostar do Cruzeiro graças ao meu tio. Perguntava-lhe pelos reforços do Benfica e era bom falar de bola com ele. Sempre acompanhei o Brasileirão por causa disso e devem calcular que os últimos anos do Cruzeiro (não este) me trouxeram felicidade por causa da memória do meu querido falecido Ti Manel do Brasil. Concordo plenamente com vocês: o Brasil precisa no imediato de conhecimento estrangeiro para poder potenciar todo o talento em bruto que ainda existe na nação. Mas a longo prazo continuo na minha: se o país continuar a crescer e a corrupção a diminuir, no futuro podemos ter lá futebol de topo de uma forma natural. Isto com todas as condicionantes que o crescimento económico pode ter (guerras, mercados, corrupção, etc). Quanto aos pontas de lança, quando me lembro do Emerson Sheik e do Borges com 30 e muitos a jogar 50 jogos por ano está tudo dito... Mas a genética do jogador brasileiro está lá toda e no futuro os grandes craques vão continuar a surgir com naturalidade, tenho a certeza disso. O Brasil voltará a ter grandes pontas de lança, grandes 10, grandes laterais, grandes tudo. Mas hoje em dia a realidade é que o Brasileirão é mau. Basta aliás ver a Libertadores e a Sudamericana para perceber a dificuldade que os clubes têm para bater até equipas da Bolívia (se bem que jogar na altitude da Bolívia tem muito que se lhe diga) e da Venezuela. As ligas Argentina (que muda todos os anos de formato, este ano provavelmente o mais patético de sempre) e do Brasil (que com o estadual e as cargas abusivas de jogos nas pernas dos jogadores) perderam em relação às outras ligas da América do Sul e hoje em dia está tudo muito mais nivelado por baixo.

      Inglaterra - Estou completamente em desacordo contigo, PP. A competitividade da Premier League é inegável. Ela é de facto competitiva, os espectáculos são bons (não tacticamente) mas a ideia de jogo da esmagadora maioria das equipas é primitiva. Quando observamos os resultados das selecções e das equipas dos campeonatos top (Itália, França, Alemanha, Espanha e Inglaterra) chegamos facilmente a uma conclusão: a Espanha, Itália (não nos últimos anos), França e Alemanha enquanto selecções beneficiaram do facto de terem campeonatos competitivos e vemos selecções jovens e A sempre nas discussões. O que observamos nos jogadores ingleses? Não há evolução porque o trabalho no treino é horrível. Claro que há excepções como o Chelsea do Mourinho da década passada, o Arsenal do Wenger a espaços, o actual Man Utd do Van Gaal que vai crescer sem dúvida este ano, o Wigan ou o Swansea do Martinez, etc. Mas técnicos ingleses? Dos que eu conheço bem nem um único com talento para ser um treinador de classe mundial actualmente. A Premier League continua a ser um cemitério de talentos onde treinadores preferem apostar no Jordan Ibe em vez do Markovic ou apostar no Antonio Valencia (Mr puxa para o lado e corre) em vez do Nani que oferece uma qualidade e inteligência ao jogo que o Valencia nem que nasça outra vez pode conseguir oferecer. Apesar disto tudo a minha avaliação sobre a Premier League é positiva porque enquanto espectáculo é o melhor do mundo. Eu gosto mais de ver um West Ham vs Tottenham do que um Villareal vs Rayo Vallecano mas se quiser aprender mais sobre futebol tenho que ver os espanhois...

      Eliminar
    7. Quanto à Liga Inglesa estamos completamente de acordo Ai Vale Bujas. Tinha algumas esperanças com o Rogers, mas o futebol do Liverpool mete dó. Em termos ofensivos, é como Mourinho disse, um futebol sem balizas. Em termos defensivos, é melhor nem comentar. E muito é dito de um treinador que se lembra de tentar fazer de Markovic um lateral/ala direito e de Emre Can um central... No Coment!

      Quanto ao Brasileiro, como disse não acompanho muito, porque me dá, literalmente, sono. No entanto, com esta cena estúpida do Maxi, falando-se do Mayke para o seu lugar, decidi ver o último jogo do (teu) Cruzeiro. E digo: Ou o jogo lhe correu muito mal, seja por ser um mau dia, seja por estar com a cabeça no mundo da lua, ou é uma péssima noticia para o Brasil ser aquele um dos melhores laterais do Brasileirão. O que vi foi simplesmente horrível, ao nível do que nem na 2ª liga portuguesa vejo: Um jogador defensivamente paupérrimo, com mau posicionamento constante, com referencias ao homem a todo o tempo, com enormes dificuldades em fechar por dentro, com apoios sempre mal orientados e facilmente comido nas costas... Uma verdadeira ode de mal defender. Se o é este mesmo o alvo do Benfica, que se deixe estar quietinho, porque o Silvio ou o A. Almeida são incomparavelmente superiores, até o Bruno Gaspar ou o Cancelo.

      Isto para dizer o quê? Que importa o potencial técnico se desconhecem por completo os conceitos básicos do futebol moderno? Taticamente o futebol brasileiro é do tempo das cavernas.

      E não acho que consigam mudar isto, sem importação de conhecimento. E para isso, precisam de gente lá, não apenas de vir a Portugal, como fez o Mano Menezes recentemente, fazer umas sessões quaisqueres. Ao menos soube admitir que os técnicos Brasileiros estão muito atrasados face aos Portugueses... Já é um principio.

      Eliminar
    8. Bujas, o Aston Villa tem boas ideias de jogo, o Crystal Palace também, o Liverpool da época anterior também,... não é assim tão mal. Habituou-se dizer que os treinadores Ingleses são péssimos e todos a favor do "kick and rush", mas não é isso que vês. Por exemplo, o avançado da selecção dos 3 leões de sub 21 é o Beharino e o tipo é mais lebre que um panzer. É óbvio que existem equipas britânicas ainda com aquele estilo tradicional e eu até gosto disso porque torna-se uma Liga mais heterogénea por isso mesmo. Falas mal dos técnicos ingleses, mas deixa estar que o Martinez do qual tenho em grande consideração não fez uma época boa no Everton. O mesmo poderei falar do Pochetino que com aqueles craques todos à disposição poderia ter feito algo muito melhor. E isto para não falar em Van Gaal e no "monsieur" Wenger... Britânico e que possa dar treinador de renome internacional: Pardew.

      Quanto ao Nani versus Valência, estou do lado dos últimos treinadores. O Nani infelizmente não evoluiu conforme o seu talento e potencial previam. O Português não conseguiu evoluir na inteligência de jogo. Leio e oiço muita gente a falar grandes louvores ao Nani quando regressou ao Sporting esta temporada passada. No entanto, se esmiuçarmos as suas exibições em Portugal verificamos que o tipo era apenas um 8 ou 9/10 em cada 1/10 jogos que fazia. Um jogador de top não pode ser assim. O Valência embora menos dotado tecnicamente era um 7/8 em cada 8/10 jogos e para as funções que estava talhado era mais que suficiente. Por vezes menos é mais! Por outras palavras o Nani quis sempre ser algo que não era. Se têm ainda dúvidas, vejam as suas exibições na selecção nacional e vejam se ele faz realmente a diferença?

      José Moreira, actualmente no Brasil e na Argentina não iria buscar nenhum jogador. Continua haver muito talento, mas pouco jogador de futebol. A parte mental é fundamental e ela constrói-se se estiverem inseridos num ambiente competitivo interessante. Laterais brasileiros são muito bons a nível ofensivo, mas nem todos... porquê? Por causa da mentalidade. É por isso, que por cada Dani Alves existem 50 Patrics...

      Sobre a lateral do Benfica, penso que Sílvio e o jovem Semedo é o bastante (mais o Rúben Amorim ou André Almeida, o que ficar no plantel). Aliás, penso mesmo que no final da época vamos ter o Semedo já a titular e a carburar.

      ;)



      Eliminar
    9. PP o Pochetino, estamos de acordo, mas não é inglês ;) apresenta boas ideias e caminho por onde caminhar, mas nasceu e cresceu completamente fora da escola inglesa.

      O Liverpool do ano Suarez era mesmo isso: Defender com muitos, recuperação de bola, passe nas costas da defesa para as lebres Suarez, Sturrige e Sterling finalizarem. E assim quase eram campeões. Mas quando quiseram um futebol afirmativo, de linhas subidas, de posse de bola, um futebol que necessite de uma forte reacção à perda e boa transição defensiva... Foi o que se viu.

      Repito, um treinador que sonhe sequer que um jogador fortissimo no 1x1, de boa temporização, de excelente decisão e finalização assinalável como Markovic deve ser lateral... Ou que um jogador de forte componente de posse, com cultura de temporização de jogo no miolo, com chegada à área como Emre Can possa ser central... Ou que um jogador de velocidade extrema, de drible e condução possa ser médio interior como Sterling... Está tudo dito.

      Já para não falar na ideia em ir buscar uma serra da estrela de problemas como é Balotelli...

      Eliminar
    10. Eu não falo de "kick and rush", PP. Isso já não se vê em Inglaterra, nem no Championship ou League One. Hoje em dia já é raro vermos uma equipa a jogar com 2 avançados centro lá e o jogo deixou de ser directo para passar a ser curto e para o lado. Quando eu digo que o futebol lá é primitivo refiro-me à movimentação defensiva e ofensiva. Falta de apoios ao portador da bola, defensas sem saberem defender porque os treinadores não lhes passam noções válidas de defesa à zona, movimentação ofensiva básica sem critério ou decisão, uso e abuso do 1 contra 1 como solução recorrente, etc... Arrisco a dizer, sem reflectir muito no caso, que o Chelsea do Mourinho não era campeão em Espanha ou Alemanha, mesmo se excluissemos o Barça, Real e Bayern dessas ligas. É que o Chelsea contra o Leverkusen, Moechen-lá-de-baixo e Wolfsburgo não bastava marcar o 1-0, meter 9 atrás da linha da bola e esperar pelo apito final.

      Quanto ao Mayke... É pá eu sou o pior avaliador de laterais do mundo. Eu achava que o Cortez era uma boa contratação e que o Luis Felipe podia ser um bom substituto para o Maxi. Acreditei no Emerson até às últimas. Acho o Semedo mauzito tendo em conta o que vi na B e quanto ao André Almeida, para mim é o novo Zanetti. Dou-vos a minha opinião sobre o Mayke.
      O Vanderlei Luxemburgo está a fazer um trabalho medíocre esta época. Perdeu o meio campo defensivo (Lucas Silva e Nilton) e ofensivo (Goulart e Everton Ribeiro) mas isso não explica tudo o que está a acontecer. Avaliar o Mayke neste contexto é perigoso e eu prefiro recordá-lo pelo que vi nos últimos 2 anos. Forte fisicamente, técnica, velocidade e resistência para as "piscinas". Noções defensivas aprendem-se. Ele é novo e se tiver cérebro aprende tal como o Alex Sandro e o Danilo aprenderam no Porto.

      Quanto ao Nani posso fazer-te a mesma pergunta em relação ao Valencia que na selecção do Equador, no último mundial por exemplo não deu uma para a caixa e quem brilhou foi o Enner Valencia, Montero e Noboa. Acho um crime alguém preferir o Valencia em relação ao Nani. O Nani é um livro de jogar bem. A forma como conduz a bola, a segurança e decisão no passe, o remate, é um espectáculo. Ele até pode acabar a carreira numa equipa qualquer do Scolari que eu continuo a dizer o mesmo. Jogadores como Nani, Valdivia ou Aimar são quem fica na memória. De Antonios Valencia está o mundo cheio.

      Eliminar
    11. A mim da-me a ideia que os Ingleses perceberam: Ok. A cena do jogo directo já não ganha, Mourinho e Wenger mostraram isso. Até mesmo Rafa Benitez ia mostrando (vejam só). Vamos tentar o mesmo. O problema é que não perceberam como se faz. Querem fazer, mas não sabem operacionalizar, não sabem ler estímulos, não entendem a direcção a tomar. A mesma coisa na defesa em relação às marcações h-h por oposição à zona e à definição das zonas de pressão. Querem mudar, tentam, mas não sabem como fazer. Então ficam num meio caminho algo estranho. O tal jogo sem balizas do Rogers e de fácil morte nas transições defensivas.

      Eliminar
    12. Bujas, o "futebol primitivo" que te referes é devido à grande qualidade das equipas. Quando tens equipas equiparáveis, que jogam sem complexos e têm uma filosofia de jogo mais aberta, como é típico dos britânicos, o jogo de futebol que supostamente tem 5 momentos de jogo, transforma-se num jogo a dois momentos: transições. O problema é que 90 minutos de transições nenhuma equipa aguenta e é por isso que muitas vezes vês os tais posicionamentos errados. Estes advêm do facto de as equipas entrarem numa roda de transições que depois não conseguem sair, resultando em movimentações mais deficientes. A forma que o Mourinho tem de controlar isso, é amordaçar um pouco a equipa. Não é à toa que ele tem o estilo de jogo que tem.

      Quanto ao lateral direito do Benfica, vai por mim: aposta no Nelson Semedo.


      Moreira, o jogo directo já não ganha não é bem assim... o jogo directo por vezes pode ser uma arma importante durante um encontro de futebol, pois permite esticar as equipas no campo e com isso ganhar espaço e tempo para se jogar entre elas. Por outro lado, coloca dificuldades e desconforto à defesa adversária.

      O problema Inglês, não é não saber operacionalizar. Para te ser franco boa parte da operacionalização eles até estão um pouco à frente de nós, uma vez que sempre tiveram o problema da calendarização excessiva e como tal tiveram que reinventarem-se. Tenho lido e ouvido que o treinador Português é isto e aquilo, dos melhores do mundo. Mas, sinceramente, colocando um pouco os pés na terra, ser um pouco pragmático, podemos até ter o maior leque de treinadores de top do mundo, mas dizer que todos os que estão em Portugal são do melhor que há... tenho dúvidas e o nosso futebol é disso espelho. Em Portugal, por exemplo, não se domina bem o 4º momento do jogo: momento ofensivo puro. Já em Espanha, vês várias equipas a fazê-lo.

      Eliminar
    13. Estou completamente em desacordo. Em Inglaterra continuam a ter 4 ou 5 momentos de jogo... Só que o momento ofensivo e defensivo, de construção e organização é horrível. Para não generalizar e porque cada caso é um caso, sem ir buscar exemplos bons ou maus a equipas, basta olharmos para um estatística e servi-la bem fria em cima da mesa:

      Liga dos Campeões:
      2014/15 - Zero equipas nos QF da Champions
      2013/14 - Chelsea nas meias. Man Utd eliminado facilmente pelo Bayern nos QF. Chelsea borrou a cueca para eliminar o PSG. Eliminados pelo Atletico nas meias.
      2012/13 - Zero equipas nos QF da Champions
      2011/12 - Chelsea campeão Europeu a praticar um futebol horrivel. Única equipa inglesa que consegue nesse ano passar aos QF
      2010/11 - 3 Equipas nos QF e Man Utd na final. Man Utd vulgarizado por super Barça na final
      2009/10 - 2 Equipas nos QF. Zero nas meias.

      Liga Europa (não vale a desculpa dos clubes ingleses não se interessarem por esta competição... Os alemães, italianos, franceses e espanhois também rodam o plantel):
      2014/15 - Zero equipas nos QF da LE. Everton goleado pelo.. Dinamo Kiev 5-2 nos oitavos
      2013/14 - Zero equipas nos QF da LE. Benfica passeou frente ao Tottenham nos oitavos. Wigan ultimo num grupo com Zulte Waregem, Maribor e Rubin Kazan
      2012/13 - 3 equipas nos QF. Benfica elimina facilmente Newcastle nos QF. Basileia elimina Tottenham nos QF. Chelsea ganha a final injustamente ao Benfica
      2011/12 - Zero equipas nos QF. Man City eliminado pelo Sporting nos oitavos.
      2010/11 - Zero equipas nos QF. Man City eliminado pelo Dinamo Kiev nos oitavos. Liverpool eliminado pelo Braga nos oitavos. Aston Villa eliminado pelo Rapid Viena no playoff
      2009/10 - 2 equipas nos QF. Fulham perde a final para o Atletico.

      2 Titulos Europeus em 12 edições das 2 provas. Ambos conquistados pela mesma equipa: Chelsea. Ridiculo tendo em conta o poderio da Liga.

      Mas não fiquemos por aqui... Vamos às selecções?

      Mundial 2014 - ultimo lugar no grupo atrás de Costa Rica, Italia e Uruguai (1 ponto realizado... 0-0 com a Costa Rica)
      Euro 2012 - Eliminados pela Italia nos QF
      Mundial 2010 - Passaram à rasca em 2º lugar, com 5 pontos, num grupo com EUA, Eslovenia e Argelia. Vulgarizados pela Alemanha nos QF 4-1
      Euro 2008 - Não passaram a fase de qualificação... Ficaram em 3º no grupo com os mesmos pontos de Israel e atrás da Russia e da Croácia
      Mundial 2006 - Eliminados por Portugal nos QF
      Euro 2004 - Eliminados por Portugal nos QF

      E os jovens? Nao ganham um Euro sub-21 desde 1984. Nunca ganharam um Mundial sub-20

      Mundial sub-20:
      2015 - Não se qualificaram
      2013 - ultimo lugar num grupo com Iraque, Chile e Egipto (épico)
      2011 - Ficam em 3º lugar no grupo mas sao repescados para os oitavos. Perdem com a Nigeria nos oitavos
      2009 - ultimo lugar num grupo com Gana, Uruguai e Uzbequistao
      2007 - Não se qualificam

      Euro sub-21:
      2015: ultimo lugar no grupo de portugal
      2013: ultimo lugar no grupo da Italia, Noruega e Israel
      2011: 3º lugar no grupo da Espanha, Rep.Checa e Ucrania
      2009: Perdem a final com a Alemanha... 4-0
      2007: Vão às meias finais mas são eliminados pela Holanda

      Eliminar
    14. Isso também tem explicação...

      1 - Se reparares as equipas que vão à Champions da EPL são treinadas por treinadores estrangeiros. Assim sendo se não são os "parvos" dos ingleses a treinar, porque raio é que essas equipas não seguem em frente? Se têm grandes jogadores e com experiência internacional, porque é que não vão em frente na Europa? Numa palavra: calendarização. Em Inglaterra para além do ritmo com que jogam estão sobrecarregados de jogos. Penso que só irão conseguir ultrapassar isso quando as equipas em vez de terem um XI forte e rotinado, tenham sim um plantel rotinado.

      2 - Quanto às selecções também é fácil a explicação. Enquanto que as grandes selecções que chegam longe têm vários jogadores titulares que jogam na mesma equipa durante uma temporada, a selecção Inglesa não. Depois, aqui dou razão a quem critica o conservadorismo da Federação Inglesa quanto à escolha dos seus seleccionadores...

      Eliminar
  3. Adorei!!!
    Eu cheguei a imaginar o Benfica a ser treinado pelo Paco Gemez.....Seguro que teriamos bom futebol e titulos!!!Obviamente agora estou con o Rui a 100% por 100%!!!
    En relaçao ao futebol argentino,nao existe um modelo de jogo nessa seleçao....e nota se muito...sao 11 jogadores,com muita qualidade,e um sistema de jogo que nao é sustentado por um modelo!!
    Abraço!!

    ResponderEliminar
  4. Para mi, si há um treinador com categoria par treinar a Argentina como merece : Bielsa, (que por sinal era o meu preferido para o Benfica)
    Quinto ai Brasil é um caso perdido, por mais que penso, não vejo ninguém para por em ordem nesse saco de gatos.

    ResponderEliminar
  5. O Bielsa já treinou a Argentina. Fez um mundial vergonhoso em 2002 (foi eliminado na fase de grupos), ganhou os jogos olimpicos de Atenas e perdeu uma final da Copa America em 2004 nos penaltis. As equipas do Bielsa fazem-me lembrar as do Zdenek Zeman. Futebol "total", muita verticalidade, muita correria, grande caudal ofensivo mas depois não sabem defender. Ao contrário de treinadores como o Van Gaal que são "slow starters" mas que acabam por conseguir implementar um modelo de jogo ofensivo e eficiente defensivamente, as equipas do Bielsa são muita parra mas pouca uva. Acaba sempre por ter insucesso por onde passa, mesmo apesar do futebol positivo. Este ano por exemplo ficou em 4º na Liga Francesa com os mesmos pontos do Saint Etienne.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A alcunha do Bielsa diz absolutamente tudo do que realmente é: Louco. Tudo pode correr muito bem, como desastrosamente mal. Basta ver o que foi esta última época em Marselha: 1ª volta fantástica, 2ª miserável. O que faz a seguir? Manda embora quase todo o 11 titular e é o último a apresentar-se das férias (já se apresentou?), quando a equipa já trabalha há duas semanas... Ainda na época passada um portista meu grande amigo dizia que o queria para o lugar do Lopes... Abençoada fosse essa escolhas :p ahah

      Eliminar
    2. Atenção que o foi o Bielsa que construiu esta equipa do Chile... há ali muitos automatismos que veio do seu tempo.

      ;)

      Eliminar
    3. Tens razão, mas os jogadores de 2004 não são os mesmos de 2015....
      O problema do Marselha é ser em França, porque tudo o que tem sucesso no início, é depois condenado ao fracasso
      devdo ao chauvinismo deles e ao temparemento louco do Biesla.
      Mantenho a minha, com uma excelente estrutura como a nossa, uma defese de betão como podemos ter, venham as correrias à Bielsa, que eu agradeço.

      Eliminar