terça-feira, 27 de maio de 2014

Entrevista de Luís Filipe Vieira à RTP

Hugo Gilberto entrevistou o presidente do Benfica no Museu Cosme Damião. Uma entrevista onde importava esclarecer a massa adepta benfiquista relativamente à continuidade ou não de Jorge Jesus. Hoje eu suspiro e suspira a família benfiquista de alívio. Jorge Jesus, treinador do Benfica, é para continuar.

Luís Filipe Vieira começou por afirmar que o mérito da época 2013/14 é todo dos jogadores. Foi um bom começo de entrevista, gostei de ouvi-lo dizer isso. Depois, no decorrer da entrevista, puxou também a brasa à sua sardinha. E fez bem.
Hugo Gilberto, portista assumido, prosseguiu a entrevista com o tema da hegemonia no futebol português. Vieira foi inteligente na abordagem ao tema já que em títulos conquistados perde claramente para o seu rival mais a norte. Preferiu falar na escalada do ranking da UEFA: Vieira chegou ao Benfica com o clube no 124º lugar do ranking e hoje o clube encontra-se em 5º. Falou depois no facto do clube ser o 26º clube do Mundo a gerar receitas, conseguindo com menos dinheiro fazer o mesmo que muitos tubarões. Com esta resposta parece-me que Vieira quis dizer à nação que a hegemonia não se faz só de títulos. Eu, pessoalmente, discordo. Para mim a hegemonia faz-se apenas e só com títulos.

Aproveitando o tema receitas o entrevistador aproveitou para espetar uma farpa em Vieira: mas então se o clube gera tantas receitas, o melhor plantel dos últimos 30 anos é para manter? Vieira respondeu que o Benfica não pode voltar para trás, ressalvando no entanto que o Benfica tem que honrar os seus compromissos. Isto quer dizer que o Benfica, pelos vistos, está dependente das vendas de jogadores para honrar compromissos a instituições financeiras. Nada de novo.

Vieira prosseguiu dizendo que o Benfica, excluindo vendas de jogadores, vai facturar 130 milhões de euros. Com vendas o número ficará próximo ou superará os 200 milhões de euros. Num passivo de 400 milhões, devendo 300 milhões a instituições financeiras, o presidente do Benfica faz uma declaração surpreendente: o Benfica não é o maior passivo do futebol português, apesar do Porto ter um passivo de cerca de 200 milhões e o Sporting de cerca de 300 milhões. Disse que no Benfica os activos são largamente superiores ao passivo e que se vendesse o clube ainda sobrava dinheiro para distribuir pelos sócios. Disse que em Portugal há um clube que tem "reservas" e um "passivo ingerível", dando a entender que as contas de outro grande não são transparentes, existindo possivelmente desvio de verbas para essa tal reserva. Segundo Vieira, o Benfica honrou sempre os seus compromissos com instituições financeiras e a situação do clube não gera preocupações junto da banca.

É então que a entrevista chega ao momento esperado. Vieira anuncia que Jorge Jesus é o treinador do Benfica para a próxima época. Começou por referir uma pergunta que fez a Jesus:
- Jorge, face às solicitações que vais ter, o teu compromisso para com o Benfica mantém-se? 
Jorge Jesus, pelos vistos, respondeu "sim". Rejeitou inclusive um grande clube europeu; presumivelmente o Milan. Para além deste clube mencionou que Jesus recebeu mais propostas; presumivelmente Valência. O compromisso de Jorge Jesus, no entanto, é com o Benfica. Vieira disse até que se ele quisesse ficar mais anos poderia renovar, porque acredita muito nos frutos da continuidade. Para o presidente do Benfica, quantos mais anos Jesus ficar no Benfica, mais anos o clube ganhará.

Hugo Gilberto prosseguiu a entrevista perguntando a Vieira se existia plano B. Falou em Nuno Espírito Santo ou Marco Silva. Vieira disse que conhecendo Jorge Jesus, depois de receber a sua resposta nunca pensou num plano B. Disse a este respeito que nunca fica em cima dum muro à espera, que salta sempre ou para um lado ou para o outro.

Seguiram-se as perguntas sobre o relacionamento com outros clubes e sobre a geopolítica do futebol português, se é que podemos aplicar o termo ao futebol. Vieira elogiou o trabalho de Bruno de Carvalho e disse que o bom trabalho estava à vista de todos. Disse, no entanto, que o presidente do Sporting tinha mentido e que ele nunca lhe tinha ligado a dizer que a grande vitória do ano teriam sido as nomeações de árbitros.

Sobre a Liga, Vieira criticou o actual estado do futebol português e disse que neste momento existem quase mais candidatos à sua presidência do que clubes. Seara não conta com o apoio do Benfica para já. O presidente disse que estava disponível para ouvir todos os candidatos e que só depois iria decidir o seu voto.

A entrevista foi depois conduzida para o duelo Benfica TV vs Sport TV. Vieira deu a entender que a proposta de Joaquim Oliveira foi superior a 23 milhões, contrariando uma informação prestada à CMVM. Depois de 30 meses a negociar, o Benfica seguiu um caminho e a Olivedesportos seguiu outro. É impossível, para Vieira, os jogos do Benfica voltarem para as mãos de Joaquim Oliveira.
A Benfica TV gera neste momento 30 milhões em receitas e é motivo de orgulho para todos os benfiquistas. Vieira disse que ao Benfica não importavam jogos de outros clubes, algo que não compreendi muito bem tendo em conta as notícias que surgiram do interesse nos jogos do Boavista e tendo em conta também a transmissão de jogos do Farense. Quer com isto dizer que em princípio os jogos do Boavista não serão transmitidos pelo canal do Benfica.

Hugo Gilberto procurou entretanto extrair informações sobre futuras contratações e vendas. Vieira limitou-se a dizer que caso exista alguma saída a reposição será imediata. Rui Costa e o seu departamento de scouting foram elogiados. André Gomes e Rodrigo excluídos do plantel da próxima época e, em princípio, Siqueira também. Vieira disse que gostaria de ter Siqueira no plantel mas que este teria que ser enquadrado no tipo de vencimento que o Benfica pode pagar. Referiu, apesar disto, que o grupo de jogadores para 2014/15 terá o mesmo compromisso que os jogadores da época passada, querendo com isto dizer que o Benfica não perderá qualidade no plantel. É caso para dizer: In Jesus I trust.

A conversa partiu para o pós-Arouca no Estádio da Luz. Vieira disse que este ano esteve mais próximo da equipa, tendo inclusive vivido alguns dias no Seixal, afirmando que foi depois da conversa que teve com os jogadores a seguir ao jogo com o Arouca que o Benfica descolou para a grande época. Eu discordo tendo em conta que a seguir ao Arouca fizemos uma exibição fraquinha contra o Olhanense e depois outra fraquinha contra o Setúbal, mesmo apesar da boa vitória frente a um PSG em poupanças e sem Ibrahimovic.

Vieira tocou também algumas vezes na arbitragem da Liga Europa, criticando os media portugueses por não terem dado o merecido destaque ao escândalo que foi a exibição de Felix Brych naquele jogo.

Por fim, para o presidente, o melhor momento que este viveu no Benfica foi a inauguração do Estádio da Luz e o pior foram as finais com o Chelsea e o jogo no dragão no qual a equipa perdeu o campeonato em 2012-13. Disse ainda que há projectos por concluir, nomeadamente o final das obras no Seixal, o lar para ex-atletas e a rádio Benfica FM. A entrevista finalizou com as esperanças de que Portugal faça um bom mundial, referindo que depois da fase de grupos tudo pode acontecer e, tendo em conta que temos o melhor jogador do mundo, tudo será possível.

Faltou falar, na minha opinião, nas modalidades. O Benfica durante o mandato de Vieira reorganizou-se ao nível das modalidades e destacou-se dos seus rivais, conquistando títulos importantíssimos até ao nivel internacional. No geral acho que foi uma boa entrevista, nem que seja pelo facto de Vieira ter garantido a continuidade de Jesus no Benfica. Quanto ao resto, alguns sound bites interessantes aqui e ali, sendo que no cômputo geral eu gostei da entrevista.


Meanwhile In... #5

Liechtenstein - O Vaduz do nosso amigo Peter Jehle venceu a taça do seu país no início deste mês, com o ex-guarda-redes do Boavista em grande destaque por ter sacado duma cadeirinha de praia para abancar na grande-área. O Vaduz cilindrou o Eschen/Mauren por 6-0 na mais importante (e única) competição organizada pela Associação de Futebol do Liechtenstein e podem agora concentrar-se nas competições que realmente importam: o Vaduz na 2ª divisão da Suiça e o Eschen/Mauren na 4ª! Mas há boas notícias para o Eschen/Mauren! Conquistaram a subida à 3ª divisão e para o ano vão poder defrontar nessa liga o grande colosso Etóile Carouge, clube que na época passada serviu para perceber que meter bolas nas costas do Cortez é mais fácil do que convencer um velhinho com Alzheimer de que somos o seu netinho.


Gibraltar - A Associação de Futebol de Gibraltar foi finalmente aceite pela UEFA e pode a partir do próximo ano começar a espalhar magia na Liga dos Campeões e Liga Europa! A liga de 2013-14 foi um must. O Lincoln (clube que se qualificou para a Liga dos Campeões) foi campeão pela 7ª vez consecutiva e o Gibraltar Phoenix foi despromovido. Mas não foi despromovido de qualquer forma, não pensem! Foi despromovido com zero pontos e 94 golos sofridos em 14 jogos (leram bem). Os jogos entre o campeão e o último classificado ficaram Lincoln 16-1 Gibraltar Phoenix e Gibraltar Phoenix 0-16 Lincoln.


Papua-Nova Guiné - Neste maravilhoso país que tem tribos exóticas do mais fantástico, umas com pessoas que cortam dedos das mãos cada vez que lhes morre um familiar (imaginem se morrerem às dezenas num ano) e outras que quando não há fruta assa-se uma costeleta de Joaquim ou mete-se um Pedro no espeto (yep, canibais), o campeão, pela 9ª vez consecutiva, foi o Hekari United. Esta liga existe desde 2006 e nunca conheceu outro vencedor. O Hekari United disputou a final com o Lae FC, vencendo por 3-0 nos 60 minutos que o jogo teve. É que a última meia hora já aborrecia e os adeptos do Lae FC invadiram o relvado para dar umas trincas nos jogadores do campeão. O árbitro achou melhor adiar o churrasco e para o ano é o Hekari United que vai disputar a Liga dos Campeões da OFC contra equipas da Nova Zelândia, Tahiti, Vanuatu, Nova Caledónia, Ilhas Salomão, Ilhas Fiji, Ilhas Cook, Samoa, Samoa Americana e Tonga! Não é fantástico? É.


África do Sul - O Chippa United do nosso grande amigo Saidou Madi Panandetiguiri conquistou o título de campeão da 2ª divisão e vai para o ano disputar a PSL! É a 2ª vez que os rapazes do chili vão disputar uma liga que foi conquistada pelo Mamelodi Sundowns FC. O Chippa United é o 3º maior clube da Cidade do Cabo, sendo que para o ano vai defrontar o principal rival da sua cidade, o Ajax Cape Town, num dos derbis da cidade. Mas voltando à PSL... Sabem quem é o treinador do campeão da PSL? Peter Ndlovu! Ex-avançado do Coventry, mítico, liderou o Mamelodi à sua 6ª liga! Fica aqui a nossa homenagem a um dos grandes avançados da Premier League dos anos 90:


domingo, 25 de maio de 2014

Presépio em risco no Benfica

Pelos vistos o lucro que o Benfica retirou da final da Liga dos Campeões foi uma faca de dois legumes, como diz o outro. O milhão de euros resultantes da transferência do Di Maria acabam por saber a pão sem conduto porque a conquista da taça fez com que a permanência de Ancelotti em Madrid fosse um problema inesperado para o Benfica. Ancelotti, pelos vistos, era o senhor que se seguia a Seedorf e o Milan vai agora avançar para o plano B, um plano que passa por roubar Jesus ao Benfica. 

Se for para sair que saia rápido. A pré-época começa daqui a pouco mais de 1 mês e precisamos de tempo para a preparar. Mas mesmo com tempo para a preparar, a saída de Jesus poderá ser dramática para o clube. Porquê? Vejamos...

Luís Filipe Vieira já deu provas mais do que suficientes de que é péssimo a contratar homens para este lugar. Acertou com Jesus e o treinador salvou-lhe o coiro com 2 campeonatos e mais uma mão cheia de taças, tendo muitas vezes que transformar água em vinho ao longo da sua estadia na luz. As adaptações foram constantes por falhas na construção do plantel. A evolução de dezenas de jogadores, pela mão de Jesus, foi óbvia, conseguindo formar craques de classe mundial que o Benfica acabou por vender por milhões como nunca antes tinha conseguido na sua história. 

É preciso, portanto, tentar manter Jesus a todo o custo e garantir isso com a maior celeridade.

Mas caso isso não seja possível então há 3 hipóteses e na ampulheta a areia já cai, portanto, amigos benfiquistas, é bom que Vieira se mexa rápido e bem.

1ª Hipótese: Um treinador português que conheça bem o plantel do Benfica. Há 3 nomes possíveis: Peseiro, Fernando Santos e Rui Vitória. Há problemas associados a esta escolha. Em 1º lugar a pressão dos adeptos, quando falamos de nomes conhecidos no nosso universo tuga, é sempre enorme. Em 2º lugar o plantel do Benfica e algum vedetismo que lá possa existir. O Benfica, no ano passado, esteve muito perto do descalabro total graças à atitude de alguns jogadores na 1ª metade da época. Treinadores como Rui Vitória ou Peseiro, com pouco nome e portugueses, poderiam potenciar o que aconteceu na 1ª metade da época passada e o Benfica correria o risco de seguir pelo mesmo caminho do Porto de Paulo Fonseca. 

2ª Hipótese: Um treinador estrangeiro com reputação e títulos na bagagem. Aqui, sendo estrangeiro, não há outra hipótese. Embarcar numa aventura como o Porto fez com Lopetegui é um risco muito grande num clube que no ano passado venceu 3 títulos e ao qual se exige que este ano continue nessa senda. A opção teria que recair num treinador com reputação. Mas há problemas à vista. Quanto mais tarde entrar um treinador estrangeiro no clube mais difícil será para ele preparar a nova época. Não conhecendo o plantel as coisas complicam e um mês pode ser pouco para perceber como planear o Benfica 2014/15, quanto mais se falarmos em semanas. Pede-se uma grande estrutura para que este tipo de treinador encaixe bem e sinceramente não há garantias de que essa estrutura exista no Benfica.

3ª Hipótese: A prata da casa. Só vejo um nome possível aqui: Pablo Aimar. Seria seguir mais ou menos o caminho que o Milan seguiu com Seedorf. Simeone também teve um percurso semelhante na Argentina, não demorando muito tempo até começar a brilhar, isto para falar de dois casos mais recentes da história do nosso futebol. O respeito do plantel e dos benfiquistas estaria assegurado e provavelmente até existiria alguma euforia caso esta opção se confirmasse. Aimar teria tranquilidade para começar uma nova época e teria algum crédito, coisa que junto dos adeptos benfiquistas não é fácil de conseguir. O problema seria perceber se Aimar tem mesmo essas capacidades, se Aimar tem essa liderança e se Aimar seria capaz de planear uma época ao nível do treino e da gestão do plantel. Eu, sinceramente, isso não sei, mas espero que possam existir pessoas dentro do Benfica capazes de discernir isso. 

Melhor do que qualquer uma destas hipóteses, escusado será dizer, seria a continuidade de Jorge Jesus. Eu espero sinceramente que isto tenha um final feliz e que o filme não demore 3 horas. Queremos uma curta de final feliz.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Playoff Liga Zon Sagres 2013/14

Desportivo das Aves 0-0 / 1-3 Paços de Ferreira

Vá, confessem lá, estavam todos cheios de esperança de que para o ano o Quim voltasse a levantar o braço depois de sofrer um golo. Adoro o Quim a mamar com uma buja de fora da área e a levantar o braço a pedir fora de jogo. Nunca percebi se o Quim não sabe as regras ou se o acto é só mesmo uma esperança remota de que o fiscal lhe ache piada e que levante a bandeirola. Quim, eu juro que levantava. E o Jorge Ribeiro? Saudades também! Mas não vai dar. Não vai dar porque quem tem Bebé não desce de divisão. Não é que a equipa do Paços não merecesse descer. Mereciam, claramente. O Bebé, esse, é que pela época que fez não merecia a mancha no seu portfolio de ter descido de divisão ao serviço do Paços (mesmo estando apenas emprestado pelo Man Utd).

Dois estádios cheios com adeptos hiper motivados no apoio à sua equipa. Os jogadores deram tudo para corresponder e proporcionaram dois bons espectáculos. É uma vergonha como nenhum canal de televisão em Portugal pegou em 2 jogos tão importantes quanto estes. Se na 1ª mão ainda fui doente o suficiente para ouvir o relato numa rádio (Clube FM Rádio, boa gente, sim senhor) ontem não consegui mais do que ir seguindo pelo livescore. Hoje vi o resumo e vi que foi grande jogo.

Em relação à 1ª mão pode dizer-se que o equilíbrio predominou. Do lado do Paços foi o Bebé quem se destacou, tentando agitar o jogo de todas as formas, ora carregando jogo com a bola colada no pé ora disparando bujas de qualquer sítio que lhe apetecesse. A facilidade de remate deste rapaz é qualquer coisa de impressionante. Quem não se deixou intimidar foi Quim que arrancou uma exibição digna de homem da noite, levando a decisão do playoff para o jogo na Capital do Móvel.
Ontem Bebé esteve mais apagado e Quim não foi decisivo. No entanto e como não podia deixar de ser, foi na cobrança de um livre que Bebé, arrancando um pontapé mágico, fez nascer a manutenção na 1ª divisão. A bola fez uma parábola perfeita: saiu do chão, subiu à altura da barreira e entrou juntinho ao poste, rente à relva. Magia pura. Quim pregado ao chão. De destacar a exibição de Sérgio Oliveira e de Seri, duas formigas trabalhadoras no meio-campo do Paços, assim como Fábio Martins, autor do golo da esperança do Aves e principal incómodo ao longo de ambos os jogos para a defesa pacense. 

A manutenção acaba por ser completamente justa no quadro do Playoff. Claro que o resto da época foi patética e não tivessem as regras sido alteradas, estavam agora os castores a pensar na caminhada de quase 50 jogos para poderem regressar ao principal escalão! O Paços de Ferreira foi melhor nos dois jogos mas o Desportivo das Aves deixa uma grande imagem, provando que não precisam da sapiência do Professor Neca para nada!

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Pé de Barrote Final 2013/14



Nós aqui no Ai Vale Bujas? orgulhamo-nos muito de ter a capacidade – e a paciência – para seguir todos os jogos da nossa Liga. Sim, somos omnipresentes, algum problema? Por isso, como estamos em ano de Mundial, brindamos os nossos queridos leitores com os 23 escolhidos para representar o nosso campeonato no Mundial Pé de Barrote, a ser disputado também no Brasil, mas num qualquer pelado em Jacaré-Paguá. Foram 240 jogos disputados, bem analisados ao pormenor, num total de 198(!!) jogadores citados por nós e, por isso, passíveis de serem seleccionados para os 23 finais (não esquecer os que ficam em stand-by/pré-convocados/como quiserem).
Não foi fácil formar esta verdadeira selecção de astros no que à azelhice diz respeito. Debatemos bastante! Acesas discussões sobre porque é que o jogador X representado pelo Jorge Mendes é convocado e o jogador Y representado por um Zé Manel qualquer não vai, apesar de ter sido mais cepo que o primeiro. Contamos aqui com o veredicto final do nosso especialista em Pé de Barrote, enviado especial na Austrália, um dos mentores secretos do projecto Ai Vale Bujas e co-autor debaixo do radar! Posto isto vamos aos nomes, que é isso que vocês querem ler! Ou então não querem ler nada e estão só a passar o tempo.

Na foto o autor deste post a dar um passeio pela praia, ao fim do dia, antes de ir levar a jantar fora o Del Piero e um grupo de cobras venenosas e aranhas maltrapilhas amigas dele.

Guarda-Redes

Douglas (Vitória Sport Clube)Um dos responsáveis pela péssima segunda volta do Guimarães, alternou bons jogos com lances patéticos, fazendo desesperar qualquer vitoriano. “Ah e tal mas ele não tem culpa dos centrais terem saído em Janeiro. Ele até teve que levar com o Moreno”, é verdade, mas isso não invalida que se tenha comportado como um elefante numa loja de porcelanas em quase todos os jogos da segunda volta. “Meu rico Nilson, que passava 40 minutos a queimar tempo”, terão dito aqui e ali alguns adeptos vitorianos mais saudosistas.

 

Salin (Rio Ave/Marítimo) – Conseguiu a proeza de ser o único dos eleitos a ter sido citado em dois clubes diferentes! Mas deixem-me contar-vos como foi a época deste menino: depois de boa temporada nos Barreiros aparece o Braga a pretendê-lo para a baliza, “ai ui vou para o Minho e já não ando tantas vezes de avião”, mal chega ao Minho acaba por não ser contratado, tendo que procurar clube e ficando por Vila do Conde, “ai ui o Jorge Mendes investe aqui, vou ser muito feliz”, asneira aqui, asneira ali e perde o lugar para o Éderson (a sério, ninguém perde o lugar para este cepo), até que volta a surgir o Marítimo, onde acaba por recuperar um pouco a forma da época passada, não se livrando ainda assim de mais uma ou outra exibição para recordar pelos piores motivos. Parabéns Salin, estás convocado! 

Matt Jones (Belenenses) – A cumprir a segunda época nos azuis do Restelo e um dos principais pilares na subida da época passada, fez 29 jogos e cometeu a proeza de não sofrer golos em 10 deles, ajudando o Belém a manter-se na Liga. Ainda assim foi misturando esses bons jogos com outros em que não mandava uma prá caixa. Muito nervosismo, talvez por ser a época de estreia no campeonato principal (e também porque a dupla de centrais era fraquíssima). É um outsider nesta convocatória, por factos que irei explicar mais à frente.

Defesas Laterais

Briguel (Marítimo)Epá, não sei que vos diga neste parágrafo, sinceramente… É o Briguel, que mais querem? Este “jogador” só não é o capitão de equipa porque deixou de ser titular, senão corria o risco de chegar às 10 ou mais citações. Defesa experiente ao nível da azelhice, fez 8 jogos no campeonato, levou 4 amarelos, 1 vermelho e ajudou o Marítimo a sofrer 14 golos. Mais do que suficiente para merecer estar no lote dos 23, ainda fez um jogo no Marítimo B para ajudar na manutenção da equipa na 2ª liga (1 amarelo e 1 golo sofrido, porque terá sido). Veremos se o Leonel Pontes, novo treinador do Marítimo, cairá no erro de lhe dar minutos. 

 

Núrio (Braga) – Bendita a hora em que o Braga vendeu o Elderson! Foi bom para nós, claro, que passamos época após época à procura dos melhores paninis para a galeria de honra. 6 jogos foram suficientes para conquistar um lugar na esquerda da defesa, com exibições absolutamente patéticas, algo que terá feito despertar a atenção dos tubarões ingleses na sua contratação. Aposto que brevemente irá pontificar ao lado do Pecks no Manchester City. Depois desta época ganhou toda uma nova flexibilidade renal. Está em evolução constante.

Mladen (Olhanense) – Isto começa logo mal: Mladen é nome de búlgaro, o rapaz é romeno e veio emprestado pela Roma! Só pode ser craque para os galácticos de Olhão, claro. Mas este jovem revelou-se um autêntico cepo. Para verem só a sua qualidade, foi apenas utilizado como titular em 14 dos 16 jogos que realizou. E porque é que isto é de espantar? Porque o concorrente directo ao seu lugar de defesa direito era o Luís Filipe, pá. Mais um que irá deixar saudades pelo pouco jeito para o futebol.

Defesas Centrais



Márcio Rozário (Marítimo) – E pronto, voltamos ao mesmo que foi dito anteriormente em relação ao Briguel, a diferença é que o Márcio Rozário foi primeiro suspenso por “quebra de confiança” nas suas exibições e, posteriormente, dispensado. Isto diz muito do porquê do Marítimo ter ficado à porta da Europa neste campeonato (3ª pior defesa da prova). Deixará saudades a quem gosta de fazer compilações no Youtube com os bloopers da temporada. 

Ricardo (Paços de Ferreira) – Mais um jogador cheio de experiência a vir parar aqui. E porquê, perguntam vocês? Primeiro porque começou a época a ser treinado pelo Costinha e acabou a ser treinado pelo Jorge Costa. Acabou como quem diz... O Paços ainda será posto à prova pelo Aves na liguilha, que determinará a manutenção ou não dos pacenses na 1ª divisão. A defesa do Paços foi um autêntico passador esta época e, se nalguns jogos até mereceria outro resultado, tal não se verificou devido a erros colossais da defesa, tendo Ricardo brilhado ao mais alto nível neste aspecto.

Danielson (Gil Vicente) – O Gil Vicente esteve 5 meses sem ganhar um único jogo graças à espectacular dupla Danielson-Pecks (o Halisson também ajudou), impecáveis no fornecimento de espaço aos adversários contrários. Aliás, tão impecáveis neste capítulo que nós aqui no blog achamos que eles deveriam ser agentes imobiliários e não jogadores de futebol. Não esquecer que, à frente da dupla defensiva, estava o inolvidável Luan, mas isso não serve de desculpa para as constantes faltas de concentração deste central que leva anos e anos de Primeira Liga.

Reiner Ferreira (Académica) – Quem acompanhou atentamente este campeonato sabe perfeitamente que o Reiner saiu em Janeiro da Académica. Caso andassem mais desatentos, bastava verificar o 8º lugar conseguido pela Briosa para se perceber que o fruto dessa classificação só pode ter sido a dispensa daquele que, na minha opinião, foi o pior jogador deste campeonato! Um defesa central completamente patético, incapaz de definir o tempo de entrada aos lances, tecnicamente mau, lento, enfim, todo um rol de adjectivos depreciativos seria pouco para descrever este trambolho. É sempre bom ter um 4º central deste gabarito no plantel para dar moral aos avançados nos treinos.

Médios

 


Luiz Carlos (Braga) – Depois de uma época fantástica no Paços de Ferreira, lá vai o Luiz Carlos dar o salto para um clube que luta sempre por objectivos europeus… Então não é que aparece o Pandurii? Tiro no porta-aviões! “Mas calma, ainda temos as Taças e o campeonato”, pois é…Nas Taças o Rio Ave afundou com o que restava do Braga e no campeonato foram jogos péssimos atrás de jogos maus. Aliás, o meio-campo desta selecção só não é todo do Braga porque houve outros a merecer grande destaque… Exibições muito apagadas deste brasileiro, pronto para um Anorthosis Famagusta qualquer.

Mauro (Braga) – Foi este menino que andou a sentar o Custódio a época toda no banco? Então parabéns, Jesualdo e Jorge Paixão, por nos apresentarem esta pérola brasileira! Dos 25 jogos que fez no campeonato foi titular em 22, depois queixem-se que o Braga não ganha jogos… Parece-me um jogador bastante limitado tanto tecnicamente como fisicamente, bastante inferior ao Custódio até, não acrescentou nada ao meio-campo bracarense mas pode fazer carreira num Chapecoense qualquer.

Sérgio Oliveira (Paços de Ferreira) – Recupera a titularidade neste onze, perdida ali mais ou menos a meio da segunda volta, quando marcou um ou outro golito e o Paços até parecia estar perto de se livrar dos dois últimos lugares. A verdade é que o Sr. 30 Milhões não desapontou e agarrou o lugar! Tem tanto de bom jogador como de inconsequente. Talvez esta primeira época a sério no campeonato principal sirva para ganhar experiência e fugir às más exibições que o têm caracterizado. Ele até tem bons pés para a profissão.

Filipe Anunciação (Paços de Ferreira) – “Ai ui não gosto do Calisto, não me mete a jogar, vou arranjar maneira de correr com ele”, foi isto que pensou o histórico capitão do Paços. Mas o karma é lixado e mal entrou para equipa neste fim de época passou de “apenas mais um jogador com uma esporádica citação” a “temos que levar este gajo ao Mundial Pé de Barrote”. Mais 3 vermelhos para este autêntico ceifeiro e mais uma época para esquecer. Talvez a idade comece a pesar…

Romeu Rocha (Paços de Ferreira) – Foi este o jogador escolhido para tentar substituir Luiz Carlos, transferido para Braga. E conseguiu? Conseguiu mas é conquistar um lugar para a eternidade panínica do nosso futebol, foi o que ele conseguiu! É apenas mais um jogador que vem provar a teoria de que não é por se fazerem boas épocas na 2ª Liga que é fácil mostrar qualidade no escalão principal. 8 jogos a titular e 4 citações depois, rumo a Jacaré-Paguá.

Ruben Micael (Braga) – Ruben Zidane Micael, internacional português, pensa que é o melhor do Mundo quando nem o melhor da Madeira é. Que dizer deste jogador da bola? Isto faz-me pensar que eu, já acima dos 30, ainda posso ir ali ao complexo do Brisbane Roar fazer uns treinos e tentar ser jogador. Afinal de contas, transferiram o Berisha e devem precisar de um gajo que pense o jogo como eu. O prémio para a excelente campanha do Ruben Micael foi não ser convocado pelo Paulo Bento, logo ele que fez um jogão na Rússia! Mas aqui no blog estamos atentos e levamo-lo nós. Estou pra ver se fazes melhor figura com o Moutinho ó Paulo Bento!

Josué (Porto) – Para fechar os médios, nada melhor que um médio que também pode jogar a extremo sem perder qualidade, simplesmente porque não a tem. Foi uma das boas surpresas de Paulo Fonseca no Paços, mas também para os adeptos benfiquistas e sportinguistas, foi uma das boas surpresas de Paulo Fonseca no Porto, que insistiu em apostar até à exaustão neste internacional português, tão bom que ele é a fazer manguitos por essa Europa fora. Foi pena ter sido apenas titular em 16 dos 20 jogos que disputou no campeonato…Chegou a ser um dos melhores marcadores do campeonato com 4 golos! Todos de penalty.

Extremos


  
Ukra (Rio Ave) – Um dos cinco jogadores que mantém a titularidade em relação ao 11 Pé de Barrote a meio da época, o que é sinal de consistência na sua irregularidade. Decisivo na qualificação do Rio Ave para as finais da Taça da Liga e da Taça de Portugal, não conseguiu mostrar igual qualidade no campeonato, não saindo do modo Chipre que cedo se instalou nas suas pernas.

Quaresma (Porto) – E quem foi que chegou a meio da época e ganhou lugar indiscutível, quem foi? Foi o Harry Potter, o Mustang, o Mago, tudo o que lhe quiserem chamar menos Einstein se faz favor. Não foi por acaso que, com a sua chegada, o Porto caiu a pique na classificação, fruto da sua constante excitação em fazer trivelas, fintas e malabarismos que em nada ajudam a equipa. Tem uma qualidade invejável, é um facto, mas, após a primeira passagem pelos dragões, nunca mais conseguiu alcançar a qualidade outrora demonstrada. A sua personalidade temperamental também não ajuda a estabilizar a equipa (e talvez o balneário).


Varela (Porto) – Mais um excelente internacional português que figura nos nossos quadros! Talvez afectado pela “síndrome Licá” e pela chegada de Quaresma, Varela não conseguiu chegar aos patamares demonstrados em épocas anteriores, fazendo uma época muito abaixo do normal. Não que tenha uma qualidade por aí além, mas já fez melhor…

Avançados

Dionisi (Olhanense)Esta foi uma decisão complicada, mas teve que ser. O avançado italiano foi dos jogadores mais instáveis neste campeonato, misturando exibições convincentes e raçudas com exibições bastante pobres e cheias de sitcom, que mereciam uma mini-série na RTP 2 aos sábados à noite. É certo que gosto muito deste jogador, mas a imparcialidade e a justiça imperam nesta decisão. Como já foi referido no resumo da jornada 30, seria bom que alguém acreditasse no potencial deste italiano. Será o capitão de equipa, fruto das 6 citações alcançadas (mais nomeado). 

 

Lima (Benfica) – A esta hora estão vocês a pensar : “Mas o que é que faz nestes convocados um campeão nacional?”. É simples, meus amigos: isto é para analisar durante toda a época…E onde andou o Lima na 1ª metade do campeonato? Pois é, jogos patéticos atrás de jogos patéticos, completamente fora de forma e desconcentrado, infelizmente a última prova disso até nem foi no campeonato mas na final da Liga Europa…O campeonato é uma maratona e o Lima nos primeiros 21kms teve vários furos.


Montero (Sporting) – O que vale para o Lima vale para o Montero, a diferença é que a chama do colombiano começou a apagar-se no início de Dezembro e aquele avançado mortífero do início da temporada deu lugar a um Purovic qualquer. A forma baixou tanto que até o Slimani lhe ganhou o lugar. Ficamos à espera da próxima época para descobrir qual das duas faces de Montero será a verdadeira.

Jogadores em stand-by 

Já se sabe que, quando há uma competição a nível de selecções, muitas são as vozes a opiniar sobre os 30 pré-convocados do seleccionador, umas a achincalhar porque os jogadores do seu clube não vão, outros a defender com unhas e dentes as escolhas, por muito ou pouco controversas que elas sejam. Na nossa autêntica constelação de estrelas também houve lugar à controvérsia e à revolta, reparem bem nos jogadores que ficaram às portas do Mundial: 

Ricardo (Olhanense) – “Mister como é que é possível eu não ter sido chamado?”, pergunta o Ricardo com a sua voz de clarinete. Pois é, eu tinha praticamente a certeza que o Ricardo iria ser titular indiscutível nesta equipa. Acontece que os treinadores que passaram por Olhão não ignoraram o facto do Belec ser infinitamente melhor que o português. Não adiantou para a manutenção mas o esloveno foi peça fundamental para manter a chama do Olhanense acesa até ao fim. Esta é também a razão do Matt Jones estar nos 23 (só para ver se continuam atentos ao que eu escrevi no Matt Jones, seus patifes).

Nuno André Coelho (Braga) – Um dos motivos para o 9º lugar do Braga foi a péssima forma deste aspirante a internacional português. Apesar da sua experiência, nunca deu estabilidade à defesa bracarense, facto que levou a equipa a ficar arredada da luta pela Europa via campeonato. Nas Taças, como se viu, a sorte foi idêntica. 

João Afonso (Belenenses) – Tal como foi dito em relação a Romeu Rocha, é mais um dos casos onde a qualidade evidenciada na 2ª Liga não ficou demonstrada no principal campeonato português. Dividiu o centro da defesa do Restelo com João Meira e Gonçalo Brandão, destacando-se por várias falhas clamorosas em zonas proibidas. Só não foi mais grave para o Belenenses porque apareceu o cepo do Deyverson a marcar golos importantes. Enorme Deyvinho, sempre acreditámos em ti!

Moreno (Vitória Sport Clube) – Expliquem-me como é que este defesa/médio defensivo faz 22 jogos no nosso campeonato, expliquem-me! Ah já sei, o Guimarães está mal de finanças e tem que jogar com a prata da casa. Mas é que este nem prata é… Lembrando um cântico das adeptas ultras do Nacional: “Nacional é ouro e prata, o resto é casca de batata”. E é precisamente o que o Moreno é. E enverga ele a braçadeira de capitão de um dos mais emblemáticos clubes portugueses - ridículo.

François (Vitória Futebol Clube) – Mais uma ascensão meteórica no nosso campeonato, este central senegalês foi utilizado em apenas 8 jogos como titular, jogos esses mais do que suficientes para ficar nesta lista de reservas. O Setúbal bem se viu à rasca para ganhar jogos com este perna de pau em campo, tanto é que nos dois jogos em que acabou expulso o Setúbal ganhou um e empatou outro! Tivesse este menino jogado mais vezes e talvez o Setúbal não tivesse acabado em sétimo lugar.

Pecks (Gil Vicente) – Obviamente não podia faltar o melhor central do campeonato português. Uma autêntica carraça este cabo-verdiano, mas apenas para os seus colegas da defesa. A falta de jeito para o futebol está lá toda e grande parte da queda na classificação do Gil Vicente fica patente nas exibições deste jogador. Mas isso também não interessa nada. Depois do Mundial o City irá abrir os cordões à bolsa e levar Pecks para o espectáculo da Premier League. É isso e o Beto no Real Madrid, ainda vai a tempo.

Nélson Pedroso (Vitória Futebol Clube) – Defesa esquerdo de técnica refinada, destacou-se na primeira volta pela quantidade de vezes que pisou jogadores do Benfica sem conseguir o tão desejado cartão vermelho. Faz lembrar o Bruno Basto, tamanhas as corridas estonteantes e inconsequentes até à linha final. Esteve na iminência de sair em Janeiro, mas, para bem do espectáculo, acabou por ficar. Foi rendido em alguns jogos por um paraguaio chamado Acosta.

Baiano (Braga) – Talvez por causa dos problemas físicos, talvez por se exigir mais do Braga por tudo o que o Braga fez nos últimos anos, a verdade é que Baiano é apenas mais um dos jogadores bracarenses que não evidenciou o nível de outros tempos. Muito fraco, fez-me lembrar em alguns momentos o Gary Charles e olhem que isso não é nada fácil…Ainda foi uma ou outra vez suplente do Tomás Dabó e isto diz muito. 

Celestino (Olhanense) – Ultrapassado na recta final por Romeu Rocha, Celestino formou com Lucas Souza a dupla “par de jarras” do campeonato. Num clube em pantanas era complicado fazer melhor, não se provando alguma da qualidade que tinha demonstrado nos anos do Estrela da Amadora.

Simy (Gil Vicente) – Este gajo é tão mau, tão mau, tão mau, que após fazer 3 ou 4 jogos mudou de Simy para Nwankwo na camisola, para ver se ninguém reparava… Enfim. A primeira amostra da qualidade deste cabo de lança foi logo na primeira jornada, onde de baliza aberta conseguiu falhar. E o Fiúza que recusou uma proposta milionária no início da época?! Tão inteligente que foi o Fiúza, como ele próprio diz: “Para meio entendedor, uma só palavra basta”. Já não bastava uma defesa de papel, juntando um jogador destes são normais os 5 meses sem ganhar jogos…
P.S. -> Se não sabes o significado de cabo de lança não andas a prestar a devida atenção ao blog pá!

Edinho (Braga) – Meus amigos, eu afirmo aqui com 100% de certeza: o Edinho só não está no 11 porque foi vendido para a Turquia! E enganou tão bem os turcos que eles foram ao cúmulo de accionar a cláusula e ficar com ele! O Edinho foi, a par do Lima, a figura de proa na primeira fase da época, tamanhos foram os falhanços à frente da baliza. Nunca conseguiu fazer esquecer o Éder nem conseguiria fazer esquecer qualquer ponta de lança a sério.

Seleccionadores

Sim, no plural. Porque esta é uma selecção que merece ter 4 seleccionadores, estilo Portugal no Euro 84 (Fernando Cabrita, Toni, António Morais, José Augusto). E os nomeados são:


Costinha (Paços de Ferreira) – O Costinha desceu o Beira-Mar na época anterior. Qual o prémio? Ir para o Paços jogar um playoff de acesso à Champions! Provou, até à data, não ter qualquer perfil para ser um treinador de Primeira Divisão. Talvez tenha beneficiado de boa imprensa, por ser convidado de um programa televisivo, até ser convidado pelo Beira-Mar… O que é certo é que construiu mal o plantel do Paços, a equipa mostrou pouco futebol e o prémio acabou por chegar com a chicotada psicológica.

João de Deus (Gil Vicente) – Alguns irão pensar: como é que eu me atrevo a meter o Special God neste lote? Mas a verdade é que Deus não correspondeu às expectativas criadas em torno da equipa naquele bom arranque de campeonato. Se havia algum bom futebol, esse foi desaparecendo até ao fim do campeonato, onde a equipa apenas se safou porque os que estavam atrás não atinaram. Veremos o que será capaz de dar à equipa na próxima temporada.

Jesualdo Ferreira (Braga) – Não dá para perceber a época do Braga, com um plantel experiente e recheado de internacionais portugueses, todos eles tão bons. Após uma vitória tranquila na Roménia, frente ao Pandurii, os bracarenses deixaram-se surpreender em casa e talvez tenha sido esse um dos factores para o estado anímico da equipa não ter sido o melhor durante a época. Para um treinador com a experiência de Jesualdo, o desempenho da sua equipa foi pouco mais do que medíocre.


Paulo Alves (Olhanense) – Escolhido como sucessor de Abel Xavier e após épocas de relativo sucesso em Barcelos, Paulo Alves foi o escolhido para guiar os galácticos de Olhão rumo à permanência. Não só isso não se verificou, como Paulo Alves nem chegou ao fim do campeonato, nunca conseguindo impôr o seu estilo de jogo. Se calhar não conseguiu lidar com egos e super-egos no balneário. Não é fácil ter galácticos como Ricardo, Kroldrup, Seric…

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Os 23 por Portugal



Guarda-Redes: Rui Patrício, Beto e Eduardo

Na minha opinião aceitam-se os 3 convocados. Eduardo, apesar de ter feito uma época fraca e inferior à de Anthony Lopes, sendo o 3º guarda-redes, não terá grandes hipóteses de experimentar as luvas em jogo. A escolha de Eduardo é uma escolha em prol da harmonia no grupo. Anthony Lopes tem menos presenças e menos amizades no seio da selecção. Parece um motivo bacoco mas não é. Em fases finais e tendo em conta que estamos a falar no 3º guarda-redes, aceita-se.

Defesas: Pepe, Bruno Alves, João Pereira, Fábio Coentrão, Neto, Ricardo Costa, André Almeida

Era o grupo de defesas que tinha na minha cabeça. Paulo Bento preferiu levar André Almeida, deixando Antunes e Cedric de fora. Justificação? André Almeida, tacticamente falando, é o jogador mais evoluído dos 3. Polivalência, disciplina táctica e compromisso para com a equipa. Antunes é um jogador mais ofensivo, não oferece as mesmas garantias a defender e é um jogador menos talhado para as fases finais da competição. Há quem diga que havia espaço para Antunes porque Ruben Amorim também joga a lateral direito. Amigos, o Amorim não joga a lateral há anos e é uma posição onde ele não se sente nada confortável. Quanto a Cedric, no global, parece-me melhor lateral que o André Almeida, tendo no entanto o handicap de não estar rotinado a jogar a lateral esquerdo. André Almeida evoluiu imenso nas componentes tácticas do jogo e é um todo o terreno para a defesa nacional. Se tivesse ido Cedric, não me espantava, mas aceita-se a chamada de André Almeida.
Já nos centrais parecem-me existir aqui alguns erros de casting. José Fonte e Rolando fizeram épocas melhores que as de Neto ou Ricardo Costa. Paulo Bento preferiu chamar os habituais e não premiar os melhores na época. Parece estranho, mas também estou com Paulo Bento nesta escolha. É uma escolhia em prol da harmonia do grupo. O erro, na minha opinião, foi não ter convocado os que mencionei na fase de qualificação para estarem agora mais enturmados.

Médios centro: William Carvalho, Miguel Veloso, Rúben Amorim, João Moutinho, Raúl Meireles, Rafa

Grande surpresa a chamada de Rafa. Agradável surpresa, diga-se. Mais uma vez há alguma indignação pela não chamada de Adrien. Na minha opinião a justificação é, mais uma vez, a mesma que referi na escolha dos centrais. O erro foi não chamar Adrien na fase de qualificação. Rafa é melhor jogador que Josué e vai ocupar a posição do senhor piretes do Saxo Cup no mundial. Para além de melhor jogador é menos conflituoso e tem cérebro. Quanto aos restantes, não restam dúvidas que são os melhores... (desculpa, Fernando Alexandre!)

Extremos: Cristiano Ronaldo, Nani, Vieirinha, Varela

Quaresma de fora! Ainda bem que temos um seleccionador que percebe um bocadinho de futebol. Por aqui me fico. Se acharem que foi cometida uma injustiça esperem 10 aninhos e, quando o Jackson Martinez já não correr risco de ficar com um joelho rebentado por Super Dragões, perguntem ao Jackson o que é que ele achava dos cruzamentos do Quaresma. O Quaresma é o pesadelo de qualquer ponta de lança. O Quaresma é um burro que aos 30 anos de idade não sabe definir um lance. O Quaresma é o pesadelo de qualquer lateral. O Quaresma, se o grupo vai para um lado, ele vai para o outro ouvir música copiada do mp3 do Josué com os beats by Dre.
É criticada a chamada de Nani por este não ter ritmo de jogo. Eu gostava de ver a reacção dos adeptos do Porto, Sporting ou Benfica se fosse anunciada na Bola a contratação do Nani para o seu clube. Estamos conversados em relação ao Nani.
A chamada de Vieirinha é um pouco estranha mas sabemos que Paulo Bento o adora. No Wolfsburgo, depois da lesão, regressou em Abril mas nunca conseguiu recuperar a forma e o lugar que agora pertence a Arnold (jogador que entretanto já foi internacional pela Alemanha num amigável a feijões). Sinceramente, preferia Bebé ou Mané no lugar do Vieirinha.
Ai ui então e o Danny? O Danny faltou a convocatórias da selecção por estar lesionado para 3 dias depois estar todo fresquinho a jogar pelo Zenit. Se fossem o seleccionador chamavam um jogador que vos fez isto?

Pontas de Lança: Hugo Almeida, Postiga, Éder

Bem... Sem comentários. Ao menos não vamos ter que levar com o Edinho, já é um ponto positivo. O Nélson Oliveira que acorde para a vida porque se tiver força de vontade e se demonstrar mais humildade do que a que tem mostrado, provavelmente consegue lugar facilmente nesta selecção. A chamada de 3 pontas de lança justifica-se plenamente tendo em conta as dificuldades físicas com que Postiga e Éder se debatem constantemente.

Final da Taça de Portugal 2013/14


Benfica 1-0 Rio Ave

Ufa. Que alívio. A gasolina desta época aguentou até ao intervalo deste jogo! A sorte é que a 2ª parte foi uma descida em ponto morto até à bomba de gasolina (Repsol, que é a que dá desconto). Mas o motor não se livrou de alguns engasgos. Chegou a hora de abrir o depósito e de lucrar com vendas de jogadores que vão deixar muitas saudades. Vai começar a pingar dinheiro, vai começar a época de loucura jornalística, vão começar os esboços mentais do plantel 2014/15. Pelos jornais desportivos podem começar a contar com o Robinho no lugar do Rodrigo e com o Oleg Luzhny para substituir o Garay.

Que linda foi esta festa. O Jamor é um local de culto para os amantes do futebol! Cheirinho a carne grelhada, o pãozinho para tapar a carne e a cerveja para empurrar. Que maravilha. Que delícia. As histórias de uma época partilhada entre duas dentadas na sandoca. A piadola entre dois goles de cerveja. E aquele golo do Gaitán ao Belenenses? São tão bons os jogadores do Benfica como o puto que dá de calcanhar no alcatrão do Jamor será. E o golo do Markovic ao Guimarães? O golo do Markovic ao Guimarães foi mais glorioso do que toda a carne de todas as vacas do mundo a grelhar ao mesmo tempo. Glória aos deuses nossos senhores deste Benfica! Que tarde linda, até o tempo. Sol abrasador, brisa de pinheiro, olha: cá-lipos à venda! Não se safou o meu pescoço. Estou aqui com um escaldão à Algarve mas ao menos comi um cá-lipo. 

E o 3º título nacional nasceu no pé direito de Osvaldo Nicolás. O 3º golão da época do Osvaldo Nicolás. Depois da maldade ao Douglas, depois do livre-directo à panenka ao PAOK eis que um pé direito sai da toca para fora para caçar este simpático Rio Ave. O Benfica entrou neste jogo numa espécie de tudo ou nada, um vai ou racha. Muitos benfiquistas devem ter resmungado "muito correm eles, para correrem assim é porque tinham mais para dar em Turim!". Mas não tinham e na 2ª parte viram jogar. Brilhou o senhor de amarelo, brilhou o poste e brilhou a pontaria desafinada dos rapazes de Vila do Conde. No entanto, com a lição aprendida na Taça da Liga, parece-me que esta estratégia do Rio Ave tinha tudo para funcionar. Na Taça da Liga o Rio Ave entrou mandão, correu, pressionou até que estoirou e fez uma 2ª parte sem beliscar os vermelhos. Neste jogo o Rio Ave entrou na expectativa, esperando o final da gasolina encarnada para depois partir para cima e tentar ultrapassagem. O Oblak parecia o Jean Alesi, no seu Benetton, a defender-se dos maus da Ferrari. O Edimar também fez um bom jogo, explorando constantemente as limitações físicas do Salvio. A única coisa que se pode, talvez, apontar ao Nuno Espírito Santo, é a entrada tardia em jogo do Diego Lopes. 

O Benfica leva a 25ª Taça de Portugal para o Museu Cosme Damião. Os jogadores fazem juras de amor eterno ao clube. Jorge Jesus dá mais um show na conferência de imprensa. Os adeptos vão passar o Verão com uma sensação oposta à do ano passado. Este ano vamos comer melão fresquinho depois de uma grelhada mista de peixe no Algarve. Melão? Sem medos. Venha ele. Tão bom fresquinho, acabado de sair do frigorífico. Na loucura pede-se uma melancia. Mas melancia bem grande. Venha ela. Este ano há fruta fresquinha para saborear... E por falar em Algarve, se tiverem tempo, enquanto a vossa miúda toma banho e se arranja depois da praia, peguem no pincel. Sim, no pincel. Com sorte para o ano o Jorge Jesus em vez de falar no pincel da Paula Rego falará no vosso.