quarta-feira, 25 de junho de 2014

MUNDIAL 2014 - Grupo B 3ª Jornada


 GRUPO B - 3ª Jornada

Austrália 0-3 Espanha - A despedida de David Villa. Um grande ponta de lança do futebol espanhol disse adeus com o calcanhar: bonita despedida, num campeonato do Mundo, com um golo destes. A campeã do Mundo despede-se do Brasil num jogo alegre contra a simpática Austrália. Mais uma vez a fórmula dos australianos foi a mesma, ligando Leckie e Oar à corrente eléctrica, Juanfran e Jordi Alba (que está numa forma deplorável) sofreram. Sem Cahill, a Austrália apostou em Taggart (nova contratação do despromovido Fulham para 2014/15) e o rapaz esteve escondido do jogo, não conseguindo participar o suficiente para causar o tipo de estragos que Cahill provocara nas outras partidas do grupo. Já Del Bosque, depois de ver a sua selecção eliminada, apostou finalmente em deixar Xabi sozinho na posição 6. Venceu mas voltou a não convencer. A Espanha foi ao campeonato do Mundo como quem vai ao shopping no Domingo à tarde. Chegou, bebeu café, viu as montras e não levou nada para casa. Um passeio descontraído. Uma desilusão.

Chile 0-2 Holanda - Arjen Robben. Se a FIFA fizesse um poster com os principais craques do Mundial 2014, este menino tinha que estar bem no centro. É que ele faz tudo. Ele corre, ele refila, ele faz faltas, ele pica-se com o adversário, ele assiste, ele resolve jogos! Este jogo basicamente decidia o próximo adversário do Brasil e ambas as selecções encararam o jogo com seriedade - Van Gaal até começou com bocas ao Scolari. O Chile entrou demolidor e não deixou a Holanda respirar. O domínio foi total e o Chile provavelmente merecia ter chegado ao intervalo em vantagem, tendo a Holanda limitado o seu jogo ao chutão para a frente e, com Van Persie suspenso, era fé no Robben e no Lens. O máximo que iam conseguindo eram umas faltas aqui e ali, acho até que não chegaram a fazer um único remate à baliza. A Holanda tinha Blind agarrado a Alexis Sanchez e tinha o resto do meio campo a tentar parar Aranguiz e Diaz. Quando perdia a bola o Chile partia para cima e sufocava os holandeses numa demonstração incrível de pujança física. Mas, na 2ª parte, tudo mudou. Van Gaal esperou pelo momento crucial, o momento de desespero chileno, para lançar Depay no jogo. Festival de contra-ataque, Robben com muito espaço para correr e pronto, resultado feito. Vitória interessante da Holanda que, no entanto, me parece que vai sofrer contra o México.

Sem comentários:

Enviar um comentário