terça-feira, 25 de março de 2014

24ª Jornada 2013/14

Rio Ave 1-1 Braga - Este foi aquele dia em que o Nuno André Coelho parecia o Fernando Couto e o Marcelo do Rio Ave parecia o Mozer, sem cotoveladas mas com alguns golpes dignos do Karate Kid. Não, eles não se largaram à porrada, fizeram, isso sim, cortes mais difíceis que apanhar moscas com pauzinhos. Não acreditam? Vejam o lance em que o Joeano, sem o Eduardo na baliza e só com o Nuno André Coelho pela frente, chuta para uma defesa do outro mundo, sabe-se lá com que membro do corpo, do jovem centralão. Boa 1ª parte do Braga e boa 2ª parte do Rio Ave. Sinal mais para o Diego Lopes que tem muito futebol nos pés. O Paixão, sem Alan, sofreu a bom sofrer. Não tem banco e teve dificuldades para montar o 11, jogando com 4 médios centro de início. A Europa continua perto porque está instalada uma mini-crise em todas as equipas a lutar pela 5ª vaga de acesso. 

Vitória de Guimarães 0-0 Gil Vicente - Assistimos provavelmente à melhor exibição de um guarda-redes em toda a época. O que Adriano Facchini fez neste jogo é motivo para chamar os X-Files ao Minho. Tenho a certeza que o Fox Mulder iria ter uma explicação plausível para tanto lance do paranormal. Nós já nos tínhamos habituado a anormalidades com as exibições de Luan ao serviço do Gil Vicente, agora vamos ter que gramar com Adriano Fachini a brincar com leis da física, química e sabe-se lá que mais. Será que o Luan estava na bancada com o tabuleiro de Ouija a fazer maldades ao Vitória? Como é possível, não, a sério, vejam bem, como é possível a defesa que Adriano faz em cima do apito para o final do jogo? Vão a correr ver (pelo menos) o resumo deste jogo. Eu sei que é um 0-0 mas este 0-0 foi tudo menos enfadonho! Vejam, por favor, para terem uma ideia da exibição de Adriano Facchini! Não consigo criticar a exibição do Vitória. Fizeram tudo para conseguir os 3 pontos, a equipa melhorou com o regresso do Tomané mas, simplesmente, Adriano não deixou.

Marítimo 1-3 Sporting - Vocês lembram-se do Cristiano que jogou no Beira-Mar e no Benfica? Sim, o defesa que não era carne nem peixe, que jogava mal tanto a lateral esquerdo quanto a central. Sabem onde ele joga hoje em dia? Se não sabem é porque não lêem a minha secção "Meanwhile In...". Adiante. Sabem porque falei no Cristiano? É que pensei muitas vezes durante este jogo no que está o Márcio Rozário a fazer em Portugal com tantos clubes nesses Azerbeijões, Turquemenistões, Uzbequistões, a precisarem de brasileirada no futebol como de água no deserto. A defesa do Marítimo está para o futebol como um prato de grelos ensopados em azeite está para um gajo que há meia hora atrás foi ao Mac Donalds mamar um Big Tasty. Acho até que se o Nesta ou o Maldini vissem o Bauer e o Márcio Rozário a jogar à bola, a reacção normal deles seria espetar garfos nos olhos. O Sporting não se livrou de uns quantos calafrios neste jogo. O controlo do encontro nunca foi assumido e a equipa esteve exposta às loucuras de Derley durante a maioria da 2ª parte. Que o diga o Maurício que depois de ter perdido o fígado na noite do Porto, neste jogo perdeu os rins, depois de uma revienga cruel do ponta de lança marítimista que deixou o central prostrado no chão. O golo que mata o encontro é uma excelente movimentação da equipa leonina, que acaba com o Jefferson de passadeira estendida a fulminar as redes do Salin. Não te incomodes com isso, Bauer, defender é muito overrated. O Sporting mantém o Porto à distância e mantém pressão no Benfica. O Marítimo perde uma oportunidade de ouro de se aproximar do Nacional. 

Olhanense 1-1 Nacional - Aos poucos a imensa luz proveniente da galáxia de Olhão vai-se apagando. Um após outro, pequenos pontinhos se apagam no céu, deixando só poeira cósmica para trás. As últimas estrelas resistentes são Belec e Dionisi. Um defende tudo o que há para defender e deixará saudades. Um dos melhores guarda-redes a passar pelo nosso país na última década, confirmou que a Eslovénia tem uma linhagem de jovens guarda-redes com tremendo potencial e qualidade. O outro, um avançado guerreiro, que merecia mais anos na nossa liga. Deixarão saudades. O Nacional fez o que lhe competia e com o Ali Ghazal em campo continuaram neste encontro o que tinham feito ao Benfica nos primeiros 15 minutos: seguraram o adversário pelos colarinhos e porrada de meia noite. Bom futebol do Nacional, principalmente na 2ª parte com Rondon em destaque, mas Belec aguentou todos os socos mesmo sem defesa à sua frente. Graças aos resultados dos adversários o 5º lugar do Nacional permanece sem ser beliscado. Já o Olhanense tem que começar a fazer contas à vida. Os investidores vão saltar ou ficar?

Paços de Ferreira 3-1 Arouca - Os adeptos do Paços continuam a chamar-lhe Bebé mas o que é certo é que o Bebé fez-se homem e conseguiu praticamente garantir a manutenção ao seu clube. Ele e Del Valle instalaram o cocó na defesa do Arouca e não houve fraldas que aguentassem! Foi uma exibição memorável, um tremendo descarregar de feijoada, chili e enchidos na sanita do Arouca. Trovoadas de futebol que Cássio, impotente, foi incapaz de escoar. Golos lindos, bom futebol ofensivo de parte a parte, em equipas treinadas por ex-defesas centrais. Quem vê estas equipas a jogar e vê o Belenenses ou o Olhanense deve concordar que estes dois últimos provavelmente não merecem a 1ª Liga. De qualquer forma o futebol não é feito de justiça e ainda há uns quantos jogos para decidir o destino dos quatro (cada vez mais dois) candidatos à descida. O 3º golo do Paços, se ainda não viram, vejam... É arte pura de Bebé.

Benfica 3-0 Académica - Djavan não tocou. Halliche não lixou. Gueye não fez mousse na baliza do Benfica (genial trocadilho, ele chama-se Moussa Gueye!!!). Magique não fez magia. Só deu Benfica. Na verdade, não foi só Benfica, foi também sitcom na defesa da Académica. Os golos são todos falhas da defesa: o primeiro de Halliche, o segundo de Marcelo e o terceiro é do nosso herói Fernando Alexandre. Às falhas da defesa aliou-se a qualidade tremenda dos executantes do Benfica. Um jogo que poderia ter reflectido outros números se os postes e Ricardo tivessem deixado. Estou muito desiludido com o Fernando Alexandre porque levei uma cartolina a pedir a camisola dele e ele nem para mim olhou. Custava-lhe muito ter subido até ao Piso 3 da Coca Cola para me dar a porcaria da camisola? Obrigadinho, Fernando, hás de cá vir. A Luz registou quase 50mil. Aí estão os adeptos da festa a aparecer. No final do ano se calhar faço um poema para aproveitar a outra metade da cartolina do Fernando Alexandre e escrevo lá: "Os adeptos vieram à festa / porque o Benfica é campeão / resto do ano adeptos na sesta / e nós a ver o Fejsa". Fraquinho mas passa a mensagem.

Porto 1-0 Belenenses - Lito Vidigal assumiu o comando da equipa do Restelo e como jogo de estreia teve logo uma missão impossível no dragão. Jogou sem pontas de lança - povoou o meio campo retirando Caeiro e pondo Tiago Silva - e rezou para que num contra-ataque ou livre a equipa conseguisse assustar o Porto. Acontece que à falta de imaginação ofensiva dos nortenhos aliou-se também pouca imaginação para cometer erros que pusessem em causa o domínio do jogo. A vitória é completamente justa e peca por escassa. Jackson Martinez atravessa um deserto de golos e com Josué a titular o oásis não aparece no horizonte. Na 2ª parte, com Quintero, a coisa até animou, mas foi preciso tirar o central Reyes para a equipa, já em desespero, chegar à vitória. O Belenenses lutou imenso, defendeu-se com todas as forças, mas a batalha mais importante de toda a época é a do próximo fim de semana, frente ao Paços de Ferreira. O Porto não perde o Sporting de vista mas vai ser complicado recuperar estes 5 pontos de atraso.

Vitória de Setúbal 1-1 Estoril - Épico. Emocionante do primeiro ao último minuto. O bom futebol de ambas as equipas comprovou-se pelo menos enquanto os técnicos não decidiram arruinar o bom que se evidenciava em campo. Do lado do Vitória, o trabalho de Tiba e João Mário merecia outra inspiração de Rafael Martins. O brasileiro fez provavelmente o pior jogo desde que chegou a Portugal. Foi Ricardo Horta quem, com um legume fresquinho para dentro da baliza do Vágner, alimentou o sonho do Vitória em atingir lugares europeus. Sonho esse desfeito por Couceiro - com a entrada de Diogo Rosado em campo -, Kieszek - que mamou um franguito assado - e Rafael Martins. Do lado do Estoril Marco Silva não fez melhor. A equipa batia-se bem apenas com 10 elementos, pela expulsão de Evandro, até que Marco Silva lança Gerso por Balboa. Gerso teve por duas vezes nos pés a vitória. Logo após ao golo do empate, Gerso surge na cara do Kieszek para falhar escandalosamente o 2º. Depois, mesmo sobre os 94 minutos, num lance de 2 para 1, com Bruno Lopes desmarcado ao seu lado, Gerso desperdiçou por burrice, mais uma vez, o tento da vitória. Este jogo merecia mais! Mas foi espectacular!










3 comentários:

  1. Muito Bom AVB!
    Jornada de muito bom futebol! A Zon-Sagres está quase a virar a Premier League.
    Faltou-te uma referência ao Hino do Futebol que foi o 2ºgolo do SLB!! Fora o ressalto do silvio..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. foi mesmo, Walter! Tivemos jogos fantásticos. A tendência vai ser para melhorar até ao final. Vem aí muita emoção

      Esse golo foi de facto lindo, mas acho que o mais bonito acabou por ser a forma como o Benfica saiu a jogar e não tanto o golo em si que é um erro de posicionamento do Marcelo.

      Eliminar
    2. O teu homónimo do Zenit também se safou à grande por sinal!!

      Concordo, daí referir que o unico ponto menos positivo acaba por ser o ressalto do silvio. Pegando no espírito benfiquista, quase que coloco este golo em termos comparativos com o que o Arsenal marcou no inicio do ano em modo tiki-taka!!

      Fora de comparações, acho que o 2º do benfica é capaz de ser uma das melhores jogadas coletivas (desde o inicio até ao fim) que tenho visto nos últimos tempos.

      Eliminar